Justiça ao serviço das pessoas

A Justiça tem de estar sempre ao serviço das pessoas, respeitando a sua dignidade em todos os momentos, defende o Papa Francisco na edição de julho de O Vídeo do Papa. O Santo Padre pede, inclusivamente, que seja seguido o exemplo de Jesus, “que não negoceia nunca com a verdade”.

Este mês, o Papa confia a Deus as pessoas que administram a Justiça para que a injustiça nunca tenha a última palavra, e pede a todos os católicos que rezem pelos magistrados, tribunais, juízes e advogados envolvidos no exercício da Justiça pelo mundo inteiro, para que o seu trabalho se guie sempre por uma reta intenção e critérios íntegros.

A corrupção na Justiça – um fenómeno maligno – afeta a coexistência pacífica e próspera entre as pessoas e as nações. Francisco preocupa-se sobretudo com as feridas que isto provoca no tecido social.

Segundo a Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção (Nova Iorque, 2004), a integridade da Justiça é severamente ameaçada pelo flagelo da corrupção. Além disso, tem um impacto muito forte na vida dos mais pobres, já que alimenta a desigualdade.

Quando o contexto social é marcado pela pobreza, fome e sofrimento, os profissionais da Justiça emergem como atores indispensáveis para que estas condições não dêem lugar àquilo que o Papa denomina de “um caldo de cultivo da ilegalidade”. Unicamente o valor irrenunciável da Justiça pode garantir o correto funcionamento da vida pública.

Para o Santo Padre, a Justiça não pode ser meramente um “traje ocasional”, um disfarce que somente se utiliza para ir a festas. Por isso, neste mês de julho, Francisco pede especialmente que se reze para que os responsáveis pelo exercício judicial sejam capazes de trabalhar com integridade, sem interesses mesquinhos, nem intenções ocultas, num registo de transparência e imparcialidade.

Nas palavras do Santo Padre: “Dos juizes dependem decisões que influenciam os direitos e os bens das pessoas”. Isto acarreta uma responsabilidade muito grande, sobretudo para manter uma posição afastada do “favoritismo e das pressões que podem contaminar as suas decisões”.

O P. Frédéric Fornos, sj, diretor internacional da Rede Mundial de Oração do Papa, que inclui o Movimento Eucarístico Juvenil, recorda as palavras do Papa na Pan America Judges Summit (3-4 de junho de 2019), sobre a batalha assimétrica e erosiva com a qual se confrontam muitas vezes os juizes: "a defesa ou priorização dos direitos sociais sobre outros tipos de interesses, levar-vos-à a confrontar-vos não só com um sistema injusto mas também com um poderoso sistema comunicacional do poder, que distorcerá frequentemente o alcance das vossas decisões, colocará em causa a vossa honestidade e integridade e podem inclusivamente julgar-vos”.

A intenção de oração do Papa deste mês dirige-se a todos os que têm em mãos a sorte de tantas pessoas, “porque quando a justiça chega tarde ou não chega, provoca muita dor e sofrimento”. Por isso, o desejo e a esperança de Francisco é que a injustiça nunca tenha a última palavra.

Une-te ao Papa nesta intenção e reza, este mês, pela integridade da justiça.