Campeonato da fraternidade e do "fair-play"

Começa hoje o Campeonato Mundial de Futebol, na Rússia. Até 15 de julho, 32 equipas disputam o título de campeão. O Papa Francisco espera que este grande evento desportivo seja oportunidade de “encontro” e “diálogo” entre nações, culturas e religiões.

"Que esta importante manifestação desportiva se possa tornar uma ocasião de encontro, de diálogo e de fraternidade entre culturas e religiões diferentes, favorecendo a solidariedade e a paz entre as nações", afirmou o Santo Padre, no final da audiência pública semanal que decorreu na Praça de São Pedro, em Roma.

“Desejo enviar a minha cordial saudação aos jogadores e aos organizadores, bem como aos que vão seguir através dos meios de comunicação social este evento, que supera todas as fronteiras”, declarou Francisco.

O coordenador do Plano Nacional Ética no Desporto de Portugal, José Carlos Lima, deseja que o Mundial de Futebol na Rússia seja uma “celebração festiva”, que envolva jogadores, dirigentes e adeptos, onde “cada equipa dê o melhor de si” também nos valores.

“Que seja momento de suspender as partes negativas que o desporto tem, que as sociedades têm, um momento em que cada equipa dê o melhor de si e os adeptos, os amantes do desporto, possam viver os valores do desporto”, afirmou José Carlos Lima, em declarações à agência Ecclesia.

O coordenador do Plano Nacional Ética no Desporto lembra o que representaram os últimos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang para “unir” as duas Coreias, onde uma delegação conjunta desfilou com a mesma bandeira e representou os dois países asiáticos na abertura da 23.ª edição dos jogos.

“O desporto tem essa dimensão mais competitiva mas tem uma dimensão fulcral e fundamental que é a dimensão valorativa. Esta dimensão da ética, dos valores tem de estar presente, se não o desporto deixa de ser desporto para ser espetáculo somente”, concluiu.

Que seja um campeonato de fraternidade, "fair-play" e dignidade humana.