Papa Francisco pede união e oração em defesa da Igreja

A Igreja vive um momento "difícil" e é "perseguida com acusações contínuas". Como tal, é o momento de defendê-la, todos juntos, apelou o Papa Francisco, na conclusão do Sínodo dos Bispos, dedicado aos jovens, que terminou domingo, dia 28 de outubro.

A Assembleia sinodal refletiu, durante praticamente um mês, sobre questões delicadas respeitantes às novas gerações, nomeadamente a sexualidade, os abusos e o papel das mulheres e jovens na Igreja.

As acusações contra a Igreja tornam-se "perseguição", como acontece com os cristãos do Oriente, mas "há outro tipo de perseguição, como acusações contínuas para sujar a Igreja”, afirmou o Santo Padre, sensibilizando os jovens e padres sinodais a defenderem a Igreja e a rezarem por ela.

Neste sentido, Francisco lembrou o pedido que fez à sua Rede Mundial de Oração e através dela a todos os fiéis católicos: rezem o Terço "neste mês de outubro, todos os dias, pela unidade da Igreja".

Os participantes aprovaram o documento final do Sínodo, que, segundo o Papa, exige trabalho, para que dê frutos. "Nós aprovamos o documento, agora o Espírito dá-nos o documento para que trabalhe no nosso coração. Nós somos os destinatários do documento, e ele ajudará muitos outros, mas os primeiros destinatários somos nós". O documento aprovado “vai dar frutos se for meditado e acompanhado pela oração”, frisou

Os padres sinodais elaboraram também uma Carta aos jovens, onde expressam uma palavra de esperança, confiança e consolação e onde afirmam conhecer as suas buscas interiores, alegrias, esperanças, dores e angústias. “Agora queremos que vocês escutem uma palavra nossa: desejamos ser colaboradores da vossa alegria”, para que as vossas expectativas “se transformem em ideais”.

Na Carta, os padres sinodais pedem ajuda aos jovens para reerguer o mundo, dirigindo o seu olhar para o amor, a beleza, a verdade e a justiça, e afirmam que, depois de um mês de caminho percorrido em conjunto, no Sínodo, querem “continuar o caminho em todas as partes da terra onde o Senhor Jesus nos envia como discípulos missionários”.

A Igreja e o mundo precisam urgentemente do vosso entusiasmo. “Sejam companheiros de estrada dos mais frágeis, dos pobres, dos feridos pela vida. Vocês são o presente. Sejam o futuro mais luminoso”.

Vê aqui o vídeo de apresentação da Carta: