Papa quer novo impulso na missão da Igreja

Começa hoje o Mês Missionário Extraordinário, convocado pelo Papa Francisco para alimentar na Igreja o ardor da atividade evangelizadora ad gentes. A Rede Mundial de Oração do Papa associa-se a esta iniciativa lançando hoje a edição de outubro de O Vídeo do Papa, em colaboração com as Obras Missionárias Pontifícias.

O Santo Padre pede a todos os católicos que reavivem a consciência missionária e assumam “o desafio de anunciar Jesus morto e ressuscitado”. Um convite que também se dirige a ti.

Francisco espera que este Mês Missionário Extraordinário - #MissionaryOctober “seja um tempo de graça intensa e fecunda para promover iniciativas e intensificar de um modo especial a oração – alma de toda a missão”.

No início deste Mês Missionário Extraordinário, o Santo Padre reza para que “o Espírito Santo possa promover uma nova primavera missionária para todos os que são batizados e enviados pela Igreja de Cristo”, membros de uma “Igreja peregrina que é missionária por natureza”.

Francisco propõe chegar às periferias, aos ambientes humanos, aos ambientes culturais e religiosos, todavia ainda alheios ao Evangelho. “Este renovado impulso missionário não significa fazer proselitismo, apenas comunicar uma vida: Deus, a sua vida divina, o seu amor misericordioso, a sua santidade. E é o Espírito Santo que nos envia, nos acompanha, nos inspira: é Ele o autor da missão”, acentua o Papa.

O programa missionário parte da alegria do Evangelho e Francisco esclarece que o seu anúncio deve realizar-se com respeito pelas culturas e tradições de todos os povos, sendo conscientes de que “o coração da missão da Igreja é a oração”.

A saída missionária é o paradigma de toda a obra da Igreja. Existem zonas onde a Igreja ainda está no seu início e necessita de apoio especial – são os chamados territórios de missão. Atualmente, há 1 109 destes territórios, que se estendem por toda a África, Ásia e ilhas da Oceânia e América. Estima-se que 37% da Igreja Universal seja território de missão, ou seja, um terço da Igreja Católica. Isto implica um trabalho em constante evolução, na medida em que se criam novos territórios, com instituições sociais, educativas e pastorais para cobrir todo o tipo de necessidades. Uma enorme percentagem do trabalho social e educativo da Igreja desenvolve-se em territórios de missão.

Na linha do Papa Francisco, o diretor internacional da Rede Mundial de Oração do Papa, Pe. Frédéric Fornos, sj, realça que “podemos fazer muitas coisas e gastar muita energia ao serviço da missão, mas sem a oração não há verdadeira fecundidade, e tudo se tornará cansativo porque, em vez de sermos dóceis ao Espírito Santo, confiamos na nossa própria força e vontade”.