Segunda-feira da décima sexta semana do Tempo Comum

Segunda-feira da décima sexta semana do Tempo Comum

Em 1999, o Papa João Paulo II declarou Santa Brígida
como uma das padroeiras da Europa.
Natural da Suécia, no século XIV,
o percurso de Brígida mergulhou, numa densa e feliz unidade,
entre a sua vida familiar
e a consagração ao Senhor.
Num período de fortes turbulências e perturbações
que afetavam a Europa,
Brígida surgiu como um testemunho apaixonado
de comunhão com o Senhor da sua vida.
Começa a tua oração, hoje,
na certeza do Amor e da Bondade do Senhor
na tua vida.

DOMINGO XVI DO TEMPO COMUM

DOMINGO XVI DO TEMPO COMUM

Da boca de Jesus 
brota o convite ao retiro e ao descanso;
dos seus olhos
brota a compaixão pela multidão
e por cada uma das suas ovelhas.
É uma unidade difícil e fecunda, divina e humana,
que só a oração permite alcançar.
Hoje é Domingo, o primeiro dia da semana:
que o Senhor, o Bom e Belo Pastor,
te conduza sempre, nas fadigas e caminhos
da tua vida.

Sexta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Sexta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Eis que a semana está prestes a concluir-se.
Recorda esta prece do salmo 84
que rezaste no domingo passado;
e renova, na tua oração e na tua vida, 
os desejos que alimentam a esperança.
«Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,
abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra,
e a justiça descerá do Céu.
O Senhor dará ainda o que é bom,
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente,
e a paz seguirá os seus passos». 

Quinta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Quinta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Diz-nos, de uma maneira crua e clara,
o poeta Eugénio de Andrade:
«Passamos pelas coisas sem as ver, 
gastos, como animais envelhecidos: 
se alguém chama por nós não respondemos, 
se alguém nos pede amor não estremecemos, 
como frutos de sombra sem sabor, 
vamos caindo ao chão, apodrecidos».
Permite que a tua oração, 
nos seus breves momentos como este,
te ajude a abrir os sentidos e a atenção,
para que a vida do Espírito te renove e te desperte.

Quarta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Quarta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Arcebispo de Braga no século XVI,
Bartolomeu, natural da freguesia dos Mártires, em Lisboa,
dedicou a sua vida ao ministério pastoral,
ao ensino do Evangelho, ao encontro com os mais afastados
do vasto território da sua arquidiocese.
Encontra-te com esta tradição de santidade
que percorre a linha da história da Igreja.
E inicia a tua oração em comunhão com todos os cristãos
que, espalhados pelo mundo, elevam o seu louvor e a sua gratidão.

Terça-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Terça-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Hoje, começa a tua oração
escutando o seguinte conselho sobre a leitura das Escrituras
proposto por São Vicente de Paulo, no século XVII:
«Não desanimemos se, 
depois de escutarmos a mesma passagem várias vezes, 
não nos sentimos tocados por ela. 
Vai acontecer-nos que um dia veremos uma pequena luz, 
depois outra maior, 
e outra maior ainda quando tivermos necessidade dela. 
Uma só palavra é capaz de nos converter; 
basta uma».

DOMINGO XV DO TEMPO COMUM

DOMINGO XV DO TEMPO COMUM

Os Apóstolos são enviados dois a dois,
alicerçados na confiança e chamados ao testemunho da Graça.
Não se trata de uma vocação especial, reservada a poucos:
todos os discípulos de Jesus, cada um nas suas circunstâncias,
vivem deste dinamismo do Espírito.
Hoje é Domingo, o primeiro dia da semana:
na comunidade dos irmãos, 
escuta o envio a que o Senhor te chama,
na tua vida.

Sexta-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

Sexta-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

Eis que a semana está prestes a concluir-se.
Recorda esta prece do salmo 122
que rezaste no domingo passado;
e que as suas palavras não deixem de indicar
a orientação da tua vida.
«Levanto os meus olhos para Vós,
para Vós que habitais no Céu;
como os olhos do servo se fixam nas mãos do seu senhor.
Como os olhos da serva se fixam nas mãos da sua senhora,
assim os nossos olhos se voltam para o Senhor nosso Deus,
até que tenha piedade de nós».

Quinta-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

Quinta-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

A oração, vivida no nosso quotidiano,
representa uma abertura 
na busca do novo e do essencial da vida.
Hoje, começa a tua oração
escutando o seguinte poema de Nuno Júdice:
«Nunca são as coisas mais simples que aparecem
quando as esperamos. O que é mais simples,
como o amor, ou o mais evidente dos sorrisos, não se
encontra no curso previsível da vida. Porém, se
nos distraímos do calendário, ou se o acaso dos passos
nos empurrou para fora do caminho habitual,
então as coisas são outras».

Quarta-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

Quarta-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

No coração da história europeia, 
nas profundas mudanças e convulsões do século VI,
a história de Bento de Núrsia, na atual Itália, 
representa a procura da intimidade com Deus,
capaz de saciar os desejos do coração humano.
É esta intimidade, pautada pelo silêncio
e pela atenção a tudo o que te habita,
que te permite conhecer melhor quem és,
e acolher, com graça e generosidade, o que os outros são.
Que a tua oração se sacie desta intimidade.

DOMINGO XIV DO TEMPO COMUM

DOMINGO XIV DO TEMPO COMUM

A oração, como a arte que alimenta a fé,
ensina-nos a abertura dos sentidos e da atenção
para a realidade quotidiana a que pertencemos.
É aí, no quotidiano, que o Divino se nos revela,
e a Ele buscamos reconhecer,
como reconhecemos no Carpinteiro de Nazaré
o Filho de Deus.
Hoje é Domingo, o primeiro dia da semana:
que este dia e esta semana sejam para ti 
um tempo de louvor e de esperança,
junto dos teus irmãos.

Quarta-feira da décima terceira semana do Tempo Comum

Quarta-feira da décima terceira semana do Tempo Comum

O pintor espanhol Francisco Goya imortalizou, num dos seus quadros,
a figura da Rainha Santa Isabel a curar as feridas 
de uma mulher enferma.
Também a tradição popular elevou o seu canto e a sua devoção
a uma rainha que, na transição dos séculos XIII e XIV,
dedicou a sua vida à mediação da paz, ao despojamento de si,
ao serviço aos mais pobres.
Hoje, começa a tua oração com este testemunho
que o Espírito do Senhor suscitou na história do nosso povo.

Terça-feira da décima terceira semana do Tempo Comum

Terça-feira da décima terceira semana do Tempo Comum

O Divino revela-Se ferido,
sem outro rosto, outra palavra, outro corpo
que o Humano.
Tomé é o Apóstolo chamado Dídimo,
termo grego que significa gémeo, nascido do mesmo parto:
é o nosso irmão gémeo, em tudo semelhante a nós,
que com dificuldade reconhecemos o mistério de Deus
na humanidade ferida e ressuscitada de Jesus.
Acolhe na tua oração tudo o que de humano povoa a tua vida;
e escuta o convite do Senhor a tocar as suas feridas,
as tuas feridas, as feridas dos teus irmãos.

DOMINGO XIII DO TEMPO COMUM

DOMINGO XIII DO TEMPO COMUM

No meio da multidão,
o Senhor dá-Se conta de quem O toca;
no meio das vozes de desespero,
o Senhor sussurra: 
«Não temas; basta que tenhas fé».
A oração vive na fragilidade da escuta e do toque,
por entre as multidões que nos habitam.
Hoje é Domingo, o primeiro dia da semana:
que o teu caminhar não deixe de percorrer
as vias estreitas da fé e da esperança.