Quarta-feira, memória litúrgica de São Joaquim e Santa Ana

Quarta-feira, memória litúrgica de São Joaquim e Santa Ana

Joaquim e Ana são os nomes que a tradição da Igreja, desde os seus primórdios, reconheceu como os pais de Maria. Aqui te dás conta de como a Graça vive nos encontros, espaços e afetos que tecem a vida humana. Não temas em reconhecer, na tua vida pessoal e familiar, a presença da Graça, até nas dores de parto das relações e dos encontros. É nas aberturas da vida e da história que o Messias nasce para a redenção do mundo.  

Terça-feira, festa litúrgica de São Tiago, Apóstolo

Terça-feira, festa litúrgica de São Tiago, Apóstolo

A memória do Apóstolo Tiago conduz-nos para a experiência da peregrinação, num Caminho que moldou, durante séculos, a história da Europa. Neste Caminho, encontramos o rosto de uma Igreja despojada, calçada com as sandálias e o bastão do caminhante. Hoje, associa a tua oração à experiência da peregrinação, de um caminho que se constrói e se traça no dia a dia da tua vida.

Segunda-feira da décima sexta semana do Tempo Comum

Segunda-feira da décima sexta semana do Tempo Comum

700 anos antes de Cristo, nas escrituras judaicas, o profeta Miqueias oferece-nos estas palavras únicas:
hoje, começa a tua oração deixando-te interpelar pela sua força. «Com que me apresentarei diante do Senhor e me inclinarei diante do Deus das alturas? Já te foi indicado, ó homem, o que deves fazer, o que o Senhor exige de ti: praticar a justiça e amar a misericórdia e ser humilde diante do teu Deus».

Décimo sexto Domingo do Tempo Comum

Décimo sexto Domingo do Tempo Comum

Não te recordas do momento em que tudo começou. Sabes que, contemplando a tua vida e a tua história, encontras o trigo e o joio, juntos no mesmo campo. Não tentes arrancar o joio, nos defeitos e limitações daqueles que te rodeiam, nas resistências e retrocessos do teu caminho. Que a experiência da fé te inicie na sabedoria da espera, da confiança e do amor. Começa assim a tua oração, e esta nova semana da tua vida.

Quinta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Quinta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Tens diante de ti um novo e breve momento de oração. Vive-o. Acolhe-o nas tuas mãos e nos teus lábios.
E começa hoje a tua oração com estas palavras de Inácio de Loiola: «Nunca devemos adiar uma boa obra, ainda que seja modesta, pensando em realizar mais tarde algo maior. É uma tentação frequente colocar diante de nós a perfeição das coisas futuras, menosprezando as do presente». 

Quarta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Quarta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

A nossa mente assemelha-se a uma casa cuja porta está permanentemente aberta a todos os estranhos que por aí passam: as imagens, distrações, preocupações e fantasias que transportamos nos nossos dias.
Se experimentas fechar a tua casa, mesmo por um momento, acontecerá que todos começarão a bater à porta, habituados como estão a encontrá-la aberta. Não desistas por isto da tua oração: dia a dia, passo a passo, a tua mente e o teu coração aprenderão a difícil arte do silêncio.

Terça-feira, memória litúrgica de São Bartolomeu dos Mártires

Terça-feira, memória litúrgica de São Bartolomeu dos Mártires

Cada momento de oração, por mais breve que seja, representa um espaço sagrado, só comparável à livre vocação das filhas e filhos de Deus. Renova a tua vida nos passos desta oração, escutando o apelo do salmo 15: «Quem poderá, Senhor, habitar no teu santuário? Quem poderá residir na tua montanha santa?
Aquele que leva uma vida sem mancha, pratica a justiça e diz a verdade com todo o coração; aquele cuja língua não levanta calúnias e não faz mal ao seu próximo, nem causa prejuízo a ninguém». 

Segunda-feira, memória litúrgica dos beatos Inácio de Azevedo e Companheiros

Segunda-feira, memória litúrgica dos beatos Inácio de Azevedo e Companheiros

Celebra-se hoje a memória de um bem-aventurado português que, juntamente com os seus quarenta companheiros jesuítas, deu a sua vida pela expansão do Reino de Deus. No silêncio do teu coração, procura um espaço onde possas estar a sós com o Senhor, para contemplar o seu Rosto, esse Rosto que acendeu o coração dos missionários com a paixão de espalhar a fé em Jesus Cristo. 

Quinta-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

Quinta-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

Hoje, começa a tua oração e dilata o teu coração com estas palavras de louvor do Salmo trinta e seis:
«A tua bondade, Senhor, chega até aos céus, e a tua fidelidade até às nuvens. Ó Deus, que maravilhosa é a tua bondade! Os humanos refugiam-se debaixo das tuas asas, podem saciar-se da abundância da tua casa. Tu os inebrias no rio das tuas delícias. Em ti está a fonte da vida e é na tua luz que vemos a luz».

Quarta-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

Quarta-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

Inácio de Antioquia, no século segundo da era cristã, deixou numa das suas cartas um apelo pela sua Igreja, já perseguida naquele tempo, e pela qual haveria de viver a entrega plena do martírio. Hoje, começa a tua oração escutando as suas palavras e o seu apelo: «Lembrai-vos de mim nas vossas orações, para que chegue até Deus; e lembrai-vos também da Igreja da Síria, para que Deus se digne,
por meio da vossa Igreja, derramar o seu orvalho sobre nós».

Segunda-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

Segunda-feira da décima quarta semana do Tempo Comum

Hoje, começa a tua oração deixando ressoar, no teu coração, estas palavras de Sophia de Mello Andresen: «Senhor, como estás longe e oculto e presente! Oiço apenas o ressoar do teu silêncio que avança para mim e a minha vida apenas toca a franja límpida da tua ausência. Fito em meu redor a solenidade das coisas como quem tenta decifrar uma escrita difícil. Mas és Tu quem me lês e me conheces. Faz que nada do meu ser se esconda». 

Décimo quarto Domingo do Tempo Comum

Décimo quarto Domingo do Tempo Comum

Pode um jugo ser suave e uma carga leve? Pode algo revelar-se aos pequenos e esconder-se aos sábios e entendidos? Pode um Filho revelar-nos o rosto de um Deus que é Pai? Esta é a maravilha maior da experiência cristã, do Evangelho de um Reino de liberdade. Hoje, coloca os teus jugos e cargas
nas mãos do Senhor. E mergulha nesta Boa Notícia de Graça.

Sexta-feira da décima terceira semana do tempo comum

Sexta-feira da décima terceira semana do tempo comum

A oração dá-te as mãos ao mistério de Jesus, ela é um caminho de atração, de beleza e de fascínio. Hoje, permite que o louvor ocupe os teus lábios, e canta a beleza do Senhor com este hino de Santo Agostinho: «Ele é belo no céu e belo na terra: belo no seio materno e belo nas mãos de seus pais; belo nos seus milagres e belo ao ser torturado; belo quando convida à vida, e belo quando não lhe importa a morte; belo quando entrega a sua vida, e belo ao retomá-la de novo; belo na cruz; belo no sepulcro; belo no céu.»

Quinta-feira da décima terceira semana do tempo comum

Quinta-feira da décima terceira semana do tempo comum

Os relatos bíblicos não te apresentam somente um modelo ético ou religioso de uma humanidade perfeita a que deveríamos aspirar. Neles encontramos o sangue dos filhos sacrificados, o clamor dos pobres a quem ninguém socorre, a violência misturada no seio da história, como o joio que cresce junto do trigo. É no seio dessa história que, de modo frágil e irreversível, emerge a experiência de um Deus que não pede nem exige o sofrimento dos seus filhos. Acolhe esta história, reconhece nela o teu caminho; e começa assim a tua oração.

Quarta-feira da décima terceira semana do tempo comum

Quarta-feira da décima terceira semana do tempo comum

O verão é o tempo dos dias longos e das noites ao luar. O Cosmos abre-se em toda a sua grandeza, para quem arrisca parar e erguer os olhos. Hoje, começa a tua oração e prepara o teu coração com estas palavras do poeta Daniel Faria: «Amo o caminho que estendes por dentro das minhas divisões. Ignoro se um pássaro morto continua o seu voo se se recorda dos movimentos migratórios e das estações. Mas não me importo de adoecer no teu colo De dormir ao relento entre as tuas mãos». 

Terça-feira, memória litúrgica de Santa Isabel de Portugal

Terça-feira, memória litúrgica de Santa Isabel de Portugal

A Bíblia privilegia a linguagem do corpo: é aí que têm lugar os gestos e comportamentos, e é aí também que emergem as atitudes e pensamentos. Começa a tua oração com as palavras do salmo 26; que elas sejam o propósito que orienta o teu caminhar: «Senhor, faz-me justiça, pois tenho vivido com retidão; em ti, Senhor, confio sem vacilar. Examina-me e põe-me à prova; purifica-me os rins e o coração. Eu tenho a tua bondade diante dos meus olhos e caminho na tua verdade».