Sexta-feira da vigésima quarta semana do tempo comum

Sexta-feira da vigésima quarta semana do tempo comum

Estás a terminar mais uma semana. 
Certamente, foi uma semana cheia de acontecimentos que te fizeram crescer e te ajudaram a conhecer um pouco mais o amor de Deus por ti. 
Agora, onde quer que te encontres, liberta-te de tudo quanto possa reclamar-te nesta hora. Liberta-te da semana que passou e das preocupações deste dia. Mesmo que tudo isso seja bom e necessário, agora não é oportuno. Agora é o tempo que Deus escolheu para se encontrar contigo.
Acolhe o chamamento de Deus e começa assim a tua oração.

Segunda-feira da vigésima quarta semana do tempo comum

Segunda-feira da vigésima quarta semana do tempo comum

Contemplando o que te rodeia, 
vai agradecendo interiormente a bondade de Deus para contigo. 
Permite que a tua gratidão
te coloque na presença do Deus três vezes santo:
o Pai bondoso e misericordioso que te criou...; 
o Filho que encarnou e te oferece, cada dia, a salvação...; 
o Espírito Santo que te santifica e sustenta o mundo no amor.
Deixa-te pacificar
por esta presença do Deus três vezes santo. 
Abandona-te no colo materno da Santa Trindade
e começa assim a tua oração... 

Vigésimo quarto domingo do tempo comum

Vigésimo quarto domingo do tempo comum

A oração é uma oportunidade
para alargar os horizontes da vida quotidiana,
para ver mais longe e também mais fundo: 
ver mais longe, 
dando lugar aos irmãos que descuidamos facilmente;
ver mais fundo, 
arriscando olhar para dentro de nós, 
onde é possível o encontro pessoal com Deus.
Neste domingo,
deixa a tua oração tirar-te da rotina dos dias que passam indistintos; 
deixa que ela te ajude a olhar mais longe e mais fundo. 
E acolhe com alegria as surpresas de Deus.

Sexta-feira, memória litúrgica de Nossa Senhora das Dores

Sexta-feira, memória litúrgica de Nossa Senhora das Dores

É estranha a história da Humanidade que vivemos, na qual há mães a ver os seus filhos morrer. É estranha esta história da Humanidade na qual os braços das mães suportam os corpos inertes e entregues das suas filhas e filhos martirizados. Acolhe na tua oração os dramas e sofrimentos desta Humanidade ferida a que pertencemos; e deixa-os converter o teu coração à imagem do coração da Mãe de Jesus. Começa assim a tua oração.

Quinta-feira, festa litúrgica da Exaltação da Santa Cruz

Quinta-feira, festa litúrgica da Exaltação da Santa Cruz

A Cruz é sinal exímio da tua fé. Sempre que um cristão começa a rezar, ou quando começa uma ação importante, faz o sinal da Cruz, símbolo da fé e da confiança em Deus. A Cruz é a vitória de Deus sobre o mundo. Lembra-te deste imenso amor que Deus tem para contigo e agradece-Lhe a sua oferta por ti. Hoje, começa a tua oração unido de modo especial aos cristãos perseguidos por causa da sua fé e aos voluntários da Ajuda à Igreja que Sofre que estão ao serviço destes irmãos em tantos lugares deste nosso mundo sofredor e violento.

Quarta-feira, memória litúrgica de São João Crisóstomo

Quarta-feira, memória litúrgica de São João Crisóstomo

Hoje é dia treze. És convidado a rezar consciente que és enviado por Nossa Senhora de Fátima com uma mensagem forte e profunda de Paz. Há cem anos, Nossa Senhora veio para nos dizer que Jesus quer que vivamos em paz. Esta segue-se à conversão do coração. É consequência da Santidade. Recorda-ta que a vida a que Jesus te desafia trás a Paz ao teu coração.
Assim, vale a pena começares a tua oração. 

Terça-feira da vigésima terceira semana do Tempo Comum

Terça-feira da vigésima terceira semana do Tempo Comum

Com que imagem podemos comparar
o mistério da nossa vida?
Será uma construção,
cujos espaços e alicerces nos são oferecidos,
como um dom a acolher e a partilhar?
Hoje, começa a tua oração
com estas palavras de Santo André,
bispo de Creta no século oitavo:
«Acolhe, elevando as mãos,
Aquele que nas suas próprias mãos
traçou as linhas das tuas muralhas.
Recebe Aquele que nas palmas das suas mãos
lançou os teus alicerces.
Recebe Aquele que assumiu em Si
tudo o que é nosso, menos o pecado,
para nos dar tudo o que é seu».

Segunda-feira da vigésima terceira semana do Tempo Comum

Segunda-feira da vigésima terceira semana do Tempo Comum

Pode a oração falar-nos de beleza?
Percorremos os nossos dias
acompanhados pelo medo, pelas promessas de segurança,
pelos muros e barreiras que o nosso mundo ergue.
E uma das promessas do século vinte e um
era a da livre circulação de bens, ideias e pessoas!
Hoje, começa a tua oração
pedindo ao Senhor que te ensine, cada dia,
a arte da liberdade,
a graça da vulnerabilidade,
o dom de uma vida plena.

Vigésimo terceiro domingo do Tempo Comum

Vigésimo terceiro domingo do Tempo Comum

«Eu estou no meio deles».
Há uma promessa eterna, única, divina
na origem da experiência cristã:
ela reúne os discípulos,
ela os conduz nos caminhos do Espírito e da história,
quando se reúnem para pedir algo.
Hoje é domingo, o primeiro dia da semana:
que o Senhor te conduza, na medida do possível,
ao encontro dos irmãos, 
à renovação gerada pelo perdão,
ao alimento da Palavra e do Pão.
Começa assim a tua oração.

Festa da Natividade da Virgem Santa Maria

Festa da Natividade da Virgem Santa Maria

Há uma história de promessa e de fidelidade
que conduz à vida e à beleza de Jesus.
A festa da Natividade de Maria, a Mãe de Jesus,
aponta-nos para a fé de Israel no seu Senhor,
no seio das violências e sofrimentos da história.
Hoje, agradece esta história de fidelidade
e contempla todas as graças e todos os dons
que alimentaram e continuam a alimentar a tua vida,
como o leite materno alimenta o recém-nascido.
Começa assim a tua oração.

Quinta-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum

Quinta-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum

No sentido corrente dos dias,
precisamos de um fundamento, de uma pedra angular
na qual podemos confiar.
Hoje, começa a tua oração e prepara o teu coração
com estas palavras do Salmo 119:
«Senhor, a tua palavra permanece para sempre,
mais estável do que os céus.
A tua fidelidade atravessa as gerações;
formaste a terra e ela continua firme.
Pelos teus decretos, tudo se mantém até hoje,
porque tudo está ao teu serviço».

Quarta-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum

Quarta-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum

Pode a oração tornar-se
num momento de graça e reconciliação
que unifique o teu dia?
Hoje, começa o teu breve momento de paz
com o seguinte convite de Nicéforo,
um monge cristão do século treze:
«Há, irmãos, um imperativo que não podemos contornar. 
E que nos diz esse imperativo? 
Diz-nos que se nos impõe
um regresso de nós mesmos a nós mesmos.
Há um caminho de reconciliação e união com Deus:
esse caminho único começa, antes de mais nada,
por nos conduzir a nós mesmos».

Terça-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum

Terça-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum

Há uma promessa de encontro, a alegria de uma esperança
que alimenta a experiência cristã.
Não se trata apenas de um código ético, 
de uma pertença social
ou de uma abertura religiosa;
habitamos no mistério de Deus,
que nos envolve, em traços maternais e paternais,
em toda a nossa vida.
Hoje, permite-te um espaço de silêncio e encontro
com este mistério que te habita;
e começa assim a tua oração. 

Segunda-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum

Segunda-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum

As palavras, escutadas e pronunciadas,
podem ser fugidias, insustentáveis na sua leveza.
Hoje, começa a tua oração
escutando o seguinte excerto do escritor Erri de Luca:
«As águas têm o seu curso, como as palavras: 
descem e grande parte se perde no mar e na terra. 
Jesus queria que as suas palavras fossem como águas correntes, 
ditas e pensadas para serem dispersas. 
E quem sabe quantas se terão perdido, 
escutadas e logo esquecidas. 
Não quis escrever nada:
Ele sabia que as palavras pronunciadas
valem mais do que as escritas, 
como a música escutada
vale mais do que a partitura que a fixa».

Vigésimo segundo domingo do Tempo Comum

Vigésimo segundo domingo do Tempo Comum

Vivemos a correr,
em busca de uma salvação, de uma segurança, de uma conquista.
Que lógica é esta, que nos convida a perder a vida para a encontrar?
Que seguimento é este, que projeto de vida,
que fala de sofrimento, de entrega e de morte?
Hoje é domingo, o primeiro dia da semana:
pede ao Senhor que te ajude a mergulhar na sua lógica, 
no seu Reino, no seu amor; e começa assim a tua oração.