Solenidade do Pentecostes

Solenidade do Pentecostes

Nos cinquenta dias que formam o Tempo Pascal,
eis que chegamos à celebração do Pentecostes.
É do Espírito de Deus que falamos,
através dos símbolos e imagens mais vitais
como a água, a respiração, o fogo.
Permite que a sua presença
renove o teu ser e a tua vida, na graça e na beleza,
em comunhão com todos os teus irmãos.

Sexta-feira da sétima semana do Tempo Pascal

Sexta-feira da sétima semana do Tempo Pascal

A oração entrecruza-se com a repetição dos gestos e palavras,
com o sentimento de ausência de frutos e resultados,
com a fragilidade da presença do Espírito.
Hoje, começa a tua oração
com estes versos do poeta Daniel Faria:
«O que dói
é não poder apagar a tua ausência
e repetir dia após dia os mesmos gestos.
O que dói
é o teu nome que ficou como mendigo
descoberto em cada esquina dos meus versos.
O que dói
é tudo e mais aquilo que desteço
ao tecer para ti novos regressos».

Terça-feira da sétima semana do Tempo Pascal

Terça-feira da sétima semana do Tempo Pascal

Percorremos a última semana deste Tempo Pascal.
É a semana que antecede e prepara
a celebração do Pentecostes, 
o dom pleno e presente do Espírito de Jesus.
Reconhece na tua vida os frutos do Espírito,
aprende contemplar os seus sinais de graça e beleza
e a escutar os seus apelos
no íntimo da tua consciência.
Pois só no Espírito de Deus a tua oração encontra sentido. 

Festa litúrgica de São Matias, Apóstolo

Festa litúrgica de São Matias, Apóstolo

Hoje, a Igreja celebra a festa do Apóstolo São Matias. Matias tornou-se um dos doze Apóstolos depois da morte e ressurreição de Jesus, em lugar de Judas Iscariotes. Escolheram-no para ser, com eles, testemunha de Ressurreição de Jesus. E no seu apostolado recebeu a palma do martírio.
Começa a tua oração, hoje, de modo particular em comunhão com a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre. E não deixes de dar testemunho da tua fé em Jesus Cristo, onde quer que te encontres. 

Solenidade da Ascensão do Senhor

Solenidade da Ascensão do Senhor

Na celebração da Ascensão do Senhor,
coloca o teu coração, a tua mente e o teu corpo
em sintonia com o movimento do Espírito:
Ele não te afasta dos irmãos, mas a eles te envia;
Ele não te afasta do sofrimento, mas leva-te a atravessá-lo;
Ele não te liberta do medo, mas ensina-te a esperança.
Em pleno Tempo Pascal, junta-te à comunidade dos irmãos
e eleva a tua oração e o teu canto.

Quarta-feira da sexta semana do Tempo Pascal

Quarta-feira da sexta semana do Tempo Pascal

A oração, como a poesia,
assenta na arte da atenção
e do despojamento de si mesmo.
Hoje, começa a tua oração
escutando este convite de um poeta japonês do século XVII:
«Vai para o pinhal se queres aprender sobre pinheiros;
vai para junto de um bambu se queres aprender sobre bambus.
Não deixes interferir o teu pensamento,
caso contrário estás a impor-te ao outro, e não aprendes.
A tua poesia só nascerá espontaneamente
quando tu e aquilo que contemplas se tornarem um só».

Terça-feira da sexta semana do Tempo Pascal

Terça-feira da sexta semana do Tempo Pascal

O apóstolo Paulo, na sua primeira Carta aos Tessalonicenses,
convida os cristãos a rezar incessantemente.
Rezar incessantemente não consiste apenas
em repetir fórmulas de oração, assistir a celebrações litúrgicas
ou fazer propósitos espirituais.
Rezar incessantemente é transportar para a tua vida,
o teu corpo e a tua respiração
os bons pensamentos de Cristo, o modo de ser do homem novo,
a vida renovada do Espírito.
Que os teus ritmos de oração,
como este que agora inicias,
ajudem a moldar o teu ser e o teu agir.

Sexto Domingo da Páscoa

Sexto Domingo da Páscoa

Enviados ao Mundo sem lhe pertencermos:
tal é a vocação e a dignidade dos discípulos de Jesus.
Uma vocação difícil, exigente e fecunda,
pois significa uma constante conversão da nossa mente,
do nosso corpo e do nosso coração.
Hoje é domingo, o primeiro dia da semana:
que a tua oração seja, para ti, o caminho do amor
capaz de te conduzir de um modo livre e renovado
para junto dos irmãos.

Sexta-feira da quinta semana do Tempo Pascal

Sexta-feira da quinta semana do Tempo Pascal

Inicia hoje o teu momento de oração
escutando esta prece escrita pelo monge
e escritor norte-americano Thomas Merton:
«Meu Deus, porque estou tão mudo?
Desejaria gritar-Te uma e mil vezes, 
mas Tu és o inominável, o infinito.
A tua Palavra é Jesus,
e eu grito o nome do teu Filho
e vivo no amor do seu coração.
Creio que, se Ele quiser, 
dará resposta à minha única prece:
que possa renunciar a tudo e pertencer-Lhe por inteiro».

Terça-feira, memória litúrgica de São José Operário

Terça-feira, memória litúrgica de São José Operário

É sob a proteção de São José
que a Igreja coloca o dia do trabalho e do trabalhador.
A tradição evangélica testemunha
como o próprio Jesus trabalhou com as suas mãos,
e talvez aí resida uma das imagens mais belas
para nos expor o mistério da Encarnação:
a presença plena e sem reservas do Divino
no seio do Humano.
Hoje, começa a tua oração colocando-te, tu também,
sob a proteção de José:
e que o Espírito do Senhor te conduza em segurança
nas dificuldades e sacrifícios do dia a dia.

Segunda feira da quinta semana do Tempo Pascal

Segunda feira da quinta semana do Tempo Pascal

Diz-nos o primeiro livro dos Reis
que o rei Salomão, diante do templo de Jerusalém,
pronunciou esta prece:
«Os vossos olhos estejam abertos, Senhor,
dia e noite, sobre esta casa,
sobre este lugar do qual dissestes:
‘Aí estará o meu nome’».
A oração surge-nos como uma pedagogia do espaço, 
uma escola onde aprendemos a habitar
a nossa casa e a nossa vida
na presença do Senhor.
Abre os sentidos do teu coração
como as portas e as janelas do teu quarto mais íntimo;
e começa assim a tua oração.