Décimo segundo domingo do tempo comum

Hoje a Igreja celebra o décimo segundo domingo do tempo comum.

Onde quer que estejas, estás na presença de Deus. Não se trata de uma presença inquisidora ou controladora, antes um estar discreto, que podes ignorar ou acolher, segundo a tua vontade. Pede ao Senhor que te conceda o desejo de ficares na sua presença, mesmo se as tuas preocupações te incomodam e distraem... e começa assim a tua oração.

O salmista confunde-se com o deserto, a terra seca. A sede não é só de água. Também na sua alma, o crente suspira pela vida que Deus é. Oração ela própria sedenta do Deus vivo. Levanta as tuas mãos como quem pede uma esmola divina de amor. [Sl 62 (63), 2-6.9-9] Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro. A minha alma tem sede de Vós. Por Vós suspiro, como terra árida, sequiosa, sem água. Quero contemplar-Vos no santuário, para ver o vosso poder e a vossa glória. A vossa graça vale mais que a vida: por isso os meus lábios hão de cantar-Vos louvores. Assim Vos bendirei toda a minha vida e em vosso louvor levantarei as mãos. Serei saciado com saborosos manjares e com vozes de júbilo Vos louvarei. Porque Vos tornastes o meu refúgio, exulto à sombra das vossas asas. Unido a Vós estou, Senhor, a vossa mão me serve de amparo.

Diz ao Senhor: "Senhor, desde a aurora Te procuro". Deseja abraçar a vontade do Senhor, cumprir a missão de anunciar a alegria. Pede-Lhe sede para não morreres de fartura nem te saciares com os bens deste mundo.

Os lábios destilam lama quando comunicam ódio e vingança. Deixam correr a paz como um rio transparente, quando penetram no coração ferido, apaziguam a dor, curam as nódoas do pecado. Consentes em receber dos outros a água que precisas?

Repete estas palavras: “Exulto à sombra das vossas asas”. Como ovelha aos ombros do pastor, como criança saciada, adormecida no colo da mãe. Experimenta integrar o ruído, para ouvires nele o murmúrio suave da sombra.

Agradece a água da ternura, a fresca suavidade do afecto, o silêncio da amizade. Louva a Deus pelas alegrias da natureza, o canto dos pássaros, a flor desconhecida. Sentes a respiração ritmada do teu coração, sequioso de ver o Senhor?

Pai nosso que estais nos céus santificado seja o vosso nome venha a nós o vosso Reino seja feita a vossa vontade assim na terra como no Céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido e não nos deixeis cair em tentação mas livrai-nos do mal.