Décimo sexto Domingo do Tempo Comum

Hoje, a Igreja celebra o décimo sexto Domingo do Tempo Comum. 

Não te recordas do momento
em que tudo começou.
Sabes que, contemplando a tua vida e a tua história, 
encontras o trigo e o joio, 
juntos no mesmo campo.
Não tentes arrancar o joio, 
nos defeitos e limitações daqueles que te rodeiam,
nas resistências e retrocessos do teu caminho.
Que a experiência da fé te inicie
na sabedoria da espera, da confiança e do amor.
Começa assim a tua oração,
e esta nova semana da tua vida.

 

Vais ouvir um salmo de glorificação de Deus que é ao mesmo tempo um salmo de súplica.
[Salmo 85 (86), 5-6.9-10.15-16a]
Vós, Senhor, sois bom e indulgente,
cheio de misericórdia para com todos
os que Vos invocam.
Ouvi, Senhor, a minha oração,
atendei a voz da minha súplica.
 
Todos os povos que criastes virão adorar-Vos, Senhor,
e glorificar o vosso nome,
porque Vós sois grande e operais maravilhas,
Vós sois o único Deus.
 
Senhor, sois um Deus bondoso e compassivo,
paciente e cheio de misericórdia e fidelidade.
Voltai para mim os vossos olhos
e tende piedade de mim. 

 

Pontos de oração

Há duas ideias que o salmo repete: uma de petição: «Senhor (…) voltai para mim os vossos olhos»; e uma de glorificação: «todos os povos que criastes virão adorar-vos Senhor».

Agora pensa que és o salmista e que estás a louvar a Deus, ao mesmo tempo que pedes alguma coisa.

Ao ouvires o salmo outra vez vai louvando o Senhor devagarinho.

Agora louva a Deus com todo o teu ser, agradece-lhe a tua vida, a natureza e as cidades feitas pelos homens para melhorarem as suas vidas. Pede a Deus que o progresso sirva sempre para uma maior humanização do homem.

 

Oração final

Pai nosso que estais nos céus
santificado seja o vosso nome
venha a nós o vosso Reino
seja feita a vossa vontade
assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido
e não nos deixeis cair em tentação
mas livrai-nos do mal.