Memória litúrgica de São Carlos Lwanga e seus Companheiros de martírio

Hoje é dia três de junho, segunda-feira, memória litúrgica de São Carlos Lwanga e seus Companheiros de martírio.

Os mártires cristãos, de qualquer país e de qualquer tempo, são memória viva do mistério da cruz de Cristo e da sua vida oferecida pela salvação de todos. É assim com Carlos Lwanga e seus companheiros de martírio, que hoje celebramos: naturais do Uganda, foram martirizados por ordem do rei local, em 1886. Foram os primeiros mártires cristãos da África ao sul do Saara e continuam a ser exemplo para tantos que, ainda hoje, são perseguidos e mortos por causa da fé em Cristo. Não esqueças os cristãos perseguidos nem aqueles que procuram ajudá-los material e espiritualmente, como os voluntários da Ajuda à Igreja que Sofre. E leva-os contigo na tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 29-33]

Os discípulos disseram a Jesus: «De facto agora falas abertamente, sem enigmas. Agora vemos que sabes tudo e não precisas que ninguém Te faça perguntas. Por isso acreditamos que saíste de Deus». Respondeu-lhes Jesus: «Agora acreditais? Vai chegar a hora – e já chegou – em que sereis dispersos, cada um para seu lado, e Me deixareis só; mas Eu não estou só, porque o Pai está comigo. Digo-vos isto para que em Mim tenhais a paz. No mundo sofrereis tribulações. Mas tende confiança: Eu venci o mundo».

Há um tom levemente maníaco no discurso dos discípulos. Jesus olha para os seus corações e trá-los de volta às realidades sombrias que Ele e eles vão enfrentar. Ele sabe muito bem como eles falharão, como vão abandoná-Lo, deixá-Lo só, mas Ele ama-os como eles são, promete-lhes a paz e estimula-os a ter coragem.

Quando enfrentas oposição e rejeição, é difícil manter a fé. Em tais momentos, podes sempre pedir a Deus que te dê a sua coragem e a sua paz. Ele cuida de ti em todas as tuas lutas e previne todos os desastres. Em que áreas da tua vida, atualmente, precisas de coragem e paz?

Escuta novamente a leitura e pede com confiança a coragem da fé em situações de contrariedade.

Ao terminar a tua oração lembra-te que o Senhor não tem ilusões sobre o teu coração falível. Mas também a ti Ele promete a sua paz. Lembra-te dos teus irmãos que sofrem a incompreensão e o martírio em todo o mundo e pede para eles a mesma paz e coragem que pedes para ti.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.