Memória litúrgica de São Joaquim e Santa Ana, pais da Virgem Santa Maria

Hoje é dia vinte e seis de julho, terça-feira, memória litúrgica de São Joaquim e Santa Ana, pais da Virgem Santa Maria. 

Deus está onde está o Amor e o amor vê-se! 
Mais do que nas palavras, o amor está naquilo que fazes e no modo como o fazes. Quem ama não está preocupado consigo, mas aberto às necessidades dos outros. 
O amor torna-te semelhante a Deus.
Pede ao Senhor que a tua vida seja um lugar de amor. Assim, vale a pena começares a tua oração.

 

Escuta esta passagem do Livro de Ben-Sirá. [L 1 Sir 44, 1.10-15]

Celebremos os louvores dos homens ilustres, 
dos nossos antepassados através das gerações. 
Foram homens virtuosos
e as suas obras não foram esquecidas.
Na sua descendência permanece
a excelente herança que deles nasceu.
Os seus  filhos são  fiéis à aliança
e, graças a eles, também os  filhos dos seus  filhos. 
A sua descendência permanece para sempre
e jamais se apagará a sua memória.
Os seus corpos repousam em paz
e o seu nome vive através das gerações.
Os povos proclamam a sua sabedoria
e a assembleia canta os seus louvores. 

 

Pontos de oração

Sendo Maria a Mãe que Jesus te deu no alto da cruz, os seus pais, Joaquim e Ana, passaram a fazer parte da tua família. Imagina como deve ter sido enorme a felicidade deles ao saberem que a sua filha querida era a Mãe do Messias.

Em certa medida, Joaquim e Ana são como que teus avós. Confia-lhes duas grandes intenções: a sobrecarga que hoje têm muitos avós por substituírem os pais no cuidado dos netos; e, ao mesmo tempo, o abandono a que muitos são deixados no fim dos seus dias.

Na lógica moderna, a deceção e o medo tiraram-nos o sentido da festa por nascerem pessoas e por se multiplicarem as gerações. Quando agora voltares ao livro de Ben-Sirá sentirás o respeito festivo pelos antepassados e a segurança das bênçãos de Deus para as gerações futuras.

 

Colóquio final

"Foram homens virtuosos e as suas obras não foram esquecidas". Lembra agora diante do Senhor, aqueles que já morreram e te são caros. Convence-te que recordá-los não é coisa sinistra – é confiar que Deus os guarda, que eles te ajudam e intercedem por ti.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.