DOMINGO II DO ADVENTO

Hoje a Igreja celebra o segundo domingo do advento.

O Advento é o tempo da espera e da esperança:
e sem esperança,
a humanidade morre de medo, frio e desespero.
O Advento é o tempo da fidelidade:
e sem fidelidade,
a Igreja atraiçoa-se e atraiçoa o seu Senhor.
O Advento é o tempo da alegria:
e sem alegria,
tu perdes o sentido da vida e o desejo de viver.
Pede ao Senhor a graça
da esperança, da fidelidade e da alegria...
e começa assim a tua oração.

Hoje é-nos proposto um salmo que fala de cativos, de lágrimas e de choro, mas tudo isso é contraposto com a liberdade, a alegria e o canto.

Deixa-te envolver pelas palavras deste salmo de esperança.

[Salmo 125 (126)]

Quando o Senhor fez regressar os cativos de Sião,
parecia-nos viver um sonho.
Da nossa boca brotavam expressões de alegria
e de nossos lábios cânticos de júbilo.
Diziam então os pagãos:
«O Senhor fez por eles grandes coisas».
Sim, grandes coisas fez por nós o Senhor,
estamos exultantes de alegria.
Fazei regressar, Senhor, os nossos cativos,
como as torrentes do deserto.
Os que semeiam em lágrimas
recolhem com alegria.
À ida, vão a chorar,
levando as sementes;
à volta, vêm a cantar,
trazendo os molhos de espigas.

Toda a esperança no Senhor se baseia no que Ele já fez pelo seu povo ou por cada um de nós. É por isso que o salmo inicia afirmando que Quando o Senhor fez regressar os cativos de Sião, parecia-nos viver um sonho.

Repete algumas frases do salmo, que podem ajudar a olhar para o futuro com confiança, baseada no que conheces do passado.

– Sim, grandes coisas fez por nós o Senhor.

– Fazei regressar, Senhor, os nossos cativos.

– À ida, vão a chorar, à volta, vêm a cantar.

O salmo começa por recordar a presença do Senhor na vida dos seus filhos. Daí brota a exclamação parecia-nos viver um sonho. Da nossa boca brotavam expressões de alegria.

Que alegrias já viveste, daquelas que pareciam mesmo um sonho? Recorda-as e volta a agradecê-las ao Senhor.

Ouve outra vez o salmo e presta agora atenção ao pedido que é feito: Fazei regressar, Senhor, os nossos cativos. Reza com as palavras do salmo, tendo presente todas as formas de cativeiro em que tanta gente vive e sofre.

Pede a Deus por todos os cativos, teus conhecidos ou desconhecidos. Pede-Lhe que te ilumine e encoraje a seres um instrumento de libertação para alguém.

Pai nosso que estais nos céus
santificado seja o vosso nome
venha a nós o vosso Reino
seja feita a vossa vontade
assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido
e não nos deixeis cair em tentação
mas livrai-nos do mal.