DOMINGO XXII DO TEMPO COMUM

Hoje, a Igreja celebra o vigésimo segundo domingo do Tempo Comum.

Também os nossos dias se deixam acompanhar
por questões de pureza e de impureza.
Das origens sociais aos lugares hierárquicos,
dos grupos de pertença às relações que se estabelecem,
também o nosso mundo gosta
de separar, dividir e classificar
através de critérios exteriores.
Hoje é Domingo, o primeiro dia da semana,
a memória da Páscoa de Jesus.
Que a tua oração e a tua vida
sejam para ti, sempre, uma escola de comunhão
e de encontro com o interior de cada um,
alcançável apenas pelos olhos da fé e da bondade.

«Quem habitará, Senhor, no vosso Santuário?», pergunta o refrão do salmo de hoje. É a
pergunta que tu fazes tantas vezes: "que devo fazer para viver com Deus na minha vida
concreta?"

[Salmo 14 (15)]
O que vive sem mancha e pratica a justiça
e diz a verdade que tem no seu coração
e guarda a sua língua da calúnia.

O que não faz mal ao seu próximo,
nem ultraja o seu semelhante;
o que tem por desprezível o ímpio,
mas estima os que temem o Senhor.

O que não falta ao juramento, mesmo em seu prejuízo,
e não empresta dinheiro com usura,
nem aceita presentes para condenar o inocente.
Quem assim proceder jamais será abalado.

Tu sabes que Deus está sempre aberto para ti; mas também sabes – talvez com uma
intuição subtil mas forte – que, para estar perto de Deus, tens de fazer algumas
mudanças, no teu coração e no teu modo de agir.

Diz ao Senhor que queres tudo o que o salmo diz: viver sem mancha, praticar a justiça,
dizer a verdade, evitar a calúnia, não fazer mal a ninguém, cumprir o prometido,
emprestar sem usura...

Certamente, a retidão do teu coração é o mais importante; mas não subestimes o cuidado
por o afinar cada vez mais, na elegância e grandeza da tua conduta. Deus está disponível
para te contagiar da sua bondade.

«Quem assim proceder jamais será abalado». A segurança vem do teu Deus e Pai, que
sempre te ajuda. Por contraste, as muitas vezes que te tornaste débil e saboreaste o
desconfortável travo da mediocridade foram provocadas por teres desistido de agir com a
grandeza que o salmo aponta.

Pai nosso que estais nos céus
santificado seja o vosso nome
venha a nós o vosso Reino
seja feita a vossa vontade
assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido
e não nos deixeis cair em tentação
mas livrai-nos do mal.