Terça-feira da décima sexta semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e quatro de julho, terça-feira da décima sexta semana do Tempo Comum.

Hoje, começa a tua oração
escutando estas palavras de uma beleza única,
escritas por Fiódor Dostoievski em Os Irmãos Karamázov:
«Ao ficares só, reza.
Aprende a amar a terra, a ajoelhar-te nela e a beijá-la.
Beija a terra e ama-a incansavelmente, insaciavelmente,
ama todos, ama tudo, procura no amor esse êxtase
e esse frenesi.
Molha a terra com as lágrimas da tua alegria
e ama essas tuas lágrimas».

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 12, 46-50]

Enquanto Jesus estava a falar à multidão,
chegaram sua Mãe e seus irmãos.
Ficaram do lado de fora e queriam falar-Lhe.
Alguém Lhe disse:
«Tua Mãe e teus irmãos estão lá fora
e querem falar contigo».
Mas Jesus respondeu a quem O avisou:
«Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?».
E apontando para os discípulos, disse:
«Estes são a minha mãe e os meus irmãos:
todo aquele que fizer a vontade de meu Pai que está nos Céus,
esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe». 

Jesus sente-se especialmente enviado àqueles que se encontram na margem. Mesmo a sua família, num primeiro momento, se mantém à distância. E chamam-no a partir de fora, mostrando renitência em entrar no círculo dos discípulos. 
Toma consciência de tudo aquilo que te procura arrancar ao círculo dos discípulos de Jesus. 

Não basta a consanguinidade para definir a família. Jesus propõe um outro denominador para caracterizar os que são mais próximos e íntimos: ser discípulo. 
Toma consciência do círculo de pessoas que te é mais chegado – as pessoas concretas, com rosto. Será que é Jesus quem vos une? Será que te esqueces sistematicamente dos grupos marginalizados, pelos quais Jesus mostra um carinho especial?

Escuta uma segunda vez o Evangelho. Um primeiro círculo é constituído pelos que estão fora, não querendo entrar; um segundo círculo é formado pelo grupo dos discípulos, que bebem dos ensinamentos de Jesus; um núcleo mais interior é formado por aqueles que fazem a vontade do Pai do Céu. Só esses são verdadeiramente filhos.

Pede a graça do sentido de pertença à família dos filhos de Deus. Leva à tua oração aqueles que vivem em situações de guerra e de maior sofrimento. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.