Terça-feira da vigésima primeira semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e oito de agosto, terça-feira, memória litúrgica de Santo
Agostinho.

Santo Agostinho nasceu no Norte de África, no ano 354. Apaixonado pela
Verdade, procurou-a pelos mais diversos caminhos, até se deixar conquistar
por Cristo e pela sua Igreja. Convertido e chamado ao episcopado, dedicou a
sua vida a ensinar os fiéis da sua diocese de Hipona e a escrever. Deixou-nos
algumas das obras mais notáveis da todo o pensamento cristão.
Tu és herdeiro deste e de tantos outros homens e mulheres que, ao longo dos
séculos, souberam iluminar o seu tempo e os tempos futuros com a luz do
Evangelho. Pede ao Senhor a graça de continuares a obra que recebeste... e
começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Salmo noventa e cinco. [Sl 95 (96), 10.11-12.13]

Dizei entre as nações:
«O Senhor é Rei».
Sustenta o mundo e ele não vacila,
governa os povos com equidade.
Alegrem-se os céus, exulte a terra,
ressoe o mar e tudo o que ele contém,
exultem os campos e quanto neles existe,
alegrem-se as árvores das florestas.
Diante do Senhor que vem,
que vem para julgar a terra.
Julgará o mundo com justiça
e os povos com equidade.

Santo Agostinho, depois que se entregou a Deus, nada mais viu nem procurou
senão agradar-Lhe em tudo. As palavras do Salmo podiam ser dele: “Alegrem-
se os céus, exulte a terra”.
Faz também tu, da tua vida, um cântico universal de amor.

O Senhor é Rei! Alegria de uma realeza que não é deste mundo, mas que tem
que ser vivida neste mundo. A alegria do Evangelho não pode desmentir nunca
a soberania de Jesus.
Ele reina, realmente, em ti? Nas tuas palavras, pensamentos e obras?

A oração é a dança do mundo em harmonia. Em Deus, o julgamento consiste
na prova da sua misericórdia, não no desempenho legal de uma função. Jesus
só exerce o ofício de consolar.
Queres ser consolado? Faz o bem sem olhar a quem.

Fala com o Senhor como um amigo que, sem receio, se confessa pecador.
Pede-Lhe que a tua alegria por seres perdoado se converta em eucaristia
permanente. Canta a beleza divina do rosto humano de Jesus.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.