Terça-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum

Hoje é dia quatro de setembro, terça-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum.

Hoje, começa a tua oração
escutando este poema de George Herbert,
poeta britânico do século XVII:
«O amor acolheu-me; mas a minha alma recuou
culpada de pó e de pecado.
Porém, o Amor clarividente, vendo-me hesitar
desde o primeiro instante,
aproximou-se de mim, perguntando docemente
se qualquer coisa me faltava.
“Um convidado, respondi, digno de estar aqui”.
O amor disse: “sê-lo-ás tu”».

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas [Ev Lc 4, 31-37].

Jesus desceu a Cafarnaum, cidade da Galileia,
e ali ensinava aos sábados.
Todos se maravilhavam com a sua doutrina,
porque falava com autoridade.
Encontrava-se então na sinagoga
um homem que tinha um espírito de demónio impuro,
que bradou com voz forte:
«Ah! Que tens que ver connosco, Jesus de Nazaré?
Vieste para nos destruir?
Eu sei quem Tu és: o Santo de Deus».
Disse-lhe Jesus em tom severo:
«Cala-te e sai desse homem».
O demónio, depois de o ter arremessado para o meio dos presentes,
saiu dele sem lhe fazer mal nenhum.
Todos se encheram de assombro e diziam entre si:
«Que palavra esta!
Ordena com autoridade e poder aos espíritos impuros e eles saem!».
E a fama de Jesus espalhava-se por todos os lugares da região. 

Os judeus ofereciam sacrifícios num só lugar, o templo de Jerusalém, aonde iam escassas vezes; mas, todos os sábados, reuniam-se na sinagoga para ouvir as Escrituras e os ensinamentos. A tua paróquia é, simultaneamente, templo e sinagoga, lugar do sacrifício da nova aliança e reunião da comunidade em volta da Escritura. 

Na paróquia reúne-se a Igreja local em família, amostra da grande família que é toda a Igreja, que se apresenta diante da Família Trinitária de Deus. Na paróquia, Cristo torna-Se presente, por Si mesmo e nos teus irmãos e irmãs. 

Na paróquia podem tornar-se presentes tensões e limitações, que são sinal e consequência dos nossos pecados não superados. Até pode apresentar-se, como nesta passagem, a provocação, aberta e desafiadora, a Deus e a Cristo. A paróquia é, em tudo isso, o espaço onde Deus Se faz presente para curar, elevar e unir. O espaço onde seria muito insensato deixares de ir. 

 

«Que palavra esta! Ordena com autoridade e poder aos espíritos impuros e eles saem!». Tu, que tanto queres ajudar os que tens em volta, há quanto tempo não levas alguém contigo à tua paróquia? 
Fala com o Senhor sobre o que fazes para dar testemunho da sua presença na tua vida.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.