Sexta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte de julho, sexta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum.

Eis que a semana está prestes a concluir-se.
Recorda esta prece do salmo 84
que rezaste no domingo passado;
e renova, na tua oração e na tua vida, 
os desejos que alimentam a esperança.
«Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,
abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra,
e a justiça descerá do Céu.
O Senhor dará ainda o que é bom,
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente,
e a paz seguirá os seus passos». 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 12, 1-8] 

Jesus passou através das searas em dia de sábado
e os discípulos, sentindo fome,
começaram a apanhar e a comer espigas.
Os fariseus viram e disseram a Jesus:
«Vê como os teus discípulos estão a fazer o que não é permitido ao sábado».
Jesus respondeu-lhes:
«Não lestes o que fez David,
quando ele e os seus companheiros sentiram fome?
Entrou na casa de Deus e comeu dos pães da proposição,
que não era permitido comer,
nem a ele nem aos seus companheiros,
mas somente aos sacerdotes.
Também não lestes na Lei que, ao sábado, no templo,
os sacerdotes violam o repouso sabático e ficam isentos de culpa?
Eu vos digo que está aqui alguém que é maior que o templo.
Se soubésseis o que significa:
‘Eu quero misericórdia e não sacrifício’,
não condenaríeis os que não têm culpa.
Porque o Filho do homem é Senhor do sábado». 

Na leitura de hoje, Jesus é interpelado por fariseus. Ao dizerem «Vê como os teus discípulos estão a fazer o que não é permitido ao sábado», que intenção teriam estes homens? 

Ao dar dois exemplos de aparente violação da Lei, Jesus convida a não ver a realidade a preto e branco. A vida desenrola-se muitas vezes nos tons cinzentos. 
Recorda alguma situação em que já julgaste ou foste julgado com base numa visão parcial da realidade, uma visão a branco e preto. 

Uma das obras de misericórdia é corrigir os que erram. Ouve outra vez o texto e tem presente a atitude de Jesus, que olha com misericórdia, que não condena os que não têm culpa e ao mesmo tempo corrige quem precisa de ser corrigido.

No final da tua oração, apresenta a Jesus alguma situação em que sintas que podes ser mais misericordioso. Pede-Lhe a luz e o desejo de ser mais parecido com Ele nessa situação concreta. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.