Sexta-feira da décima sexta semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e sete de julho, sexta-feira da décima sexta semana do Tempo Comum.

Eis que a tua semana está prestes a chegar ao fim.
Hoje, começa a tua oração recordando
as palavras do Salmo 22,
que escutaste no Domingo passado:
que estas palavras não deixem de ecoar nos teus lábios
e no teu coração.
«O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Leva-me a descansar em verdes prados,
conduz-me às águas refrescantes
e reconforta a minha alma.
Ele me guia por sendas direitas por amor do seu nome».

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 13, 18-23] 

Disse Jesus aos seus discípulos:
«Escutai o que significa a parábola do semeador:
Quando um homem ouve a palavra do reino
e não a compreende,
vem o Maligno e arrebata o que foi semeado no seu coração.
Este é o que recebeu a semente ao longo do caminho.
Aquele que recebeu a semente em sítios pedregosos
é o que ouve a palavra e a acolhe de momento com alegria,
mas não tem raiz em si mesmo, porque é inconstante,
e, ao chegar a tribulação ou a perseguição por causa da palavra,
sucumbe logo.
Aquele que recebeu a semente entre espinhos
é o que ouve a palavra,
mas os cuidados deste mundo e a sedução da riqueza
sufocam a palavra, que assim não dá fruto.
E aquele que recebeu a palavra em boa terra
é o que ouve a palavra e a compreende.
Esse dá fruto
e produz ora cem, ora sessenta, ora trinta por um». 

A parábola do semeador é uma das poucas que Jesus explica. Mas, mesmo explicada, há muita coisa que fica por aclarar. Nas verdadeiras parábolas há sempre algo que escapa à explicação. A parábola quer despertar-te para outra realidade que não conheces e não dominas. A parábola não é tanto para se entender, mas para te despertar, transformar e abrir à dimensão totalmente gratuita do reino do Céu. 

A semente é a palavra do Reino. A terra é o teu coração. É Jesus quem o diz. A palavra devidamente acolhida desenvolve-se, dando origem ao reino do Céu. Há fatores internos e externos que poderão impedir o desenvolvimento da semente: o terreno calcado, o solo pedregoso e, finalmente, as ervas daninhas, que acabam por abafar a semente. 
Procura dar um nome ao que impede a palavra de Deus de dar fruto na tua vida. 

Escuta pela segunda vez o Evangelho. Há uma desproporção entre o fruto produzido e a semente semeada, quando esta cai em boa terra. Esta desproporção não é apenas numérica; visa fazer-te passar dum registo mais quantitativo – a tua conta no banco poderá ter mais ou menos zeros – para outro registo, mais qualitativo, completamente diferente, que diz respeito à vida plena em Deus. 

Pede a graça de te deixares transformar pela vida em Deus. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.