Sexta-feira da décima sétima semana do Tempo Comum

Hoje é dia três de agosto, sexta-feira da décima sétima semana do Tempo Comum.

Eis que uma semana está prestes a concluir-se,
nos dias e horas do teu caminho.
Hoje, começa a tua oração
recordando as preces do Salmo 144
que escutaste no passado Domingo;
e não deixes de invocar, em verdade, o Senhor:
«O Senhor é justo em todos os seus caminhos
e perfeito em todas as suas obras.
O Senhor está perto de quantos O invocam,
de quantos O invocam em verdade». 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 13, 54-58] 

Jesus foi à sua terra
e começou a ensinar os que estavam na sinagoga,
de tal modo que ficavam admirados e diziam:
«De onde Lhe vem esta sabedoria e este poder de fazer milagres?
Não é Ele o filho do carpinteiro?
A sua Mãe não se chama Maria
e os seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?
E as suas irmãs não vivem entre nós?
De onde Lhe vem tudo isto?».
E estavam escandalizados com Ele.
Mas Jesus disse-lhes:
«Um profeta só é desprezado na sua terra e em sua casa».
E por causa da falta de fé daquela gente,
Jesus não fez ali muitos milagres. 

Quem ouve Jesus pregar na sinagoga de Nazaré fica impressionado com a sua sabedoria e com o seu poder de fazer milagres, que acompanha esta sabedoria. Os gestos reforçam as palavras, conferindo-lhes maior credibilidade. É toda a pessoa de Jesus que constitui um anúncio unânime. 
Deixa-te também desconcertar por esta novidade absoluta.

À medida que a narrativa vai avançando, o estado de espírito das pessoas vai-se invertendo, deste o acolhimento inicial à rejeição final. Há toda uma série de perguntas que progressivamente vão semeando a dúvida e a animosidade no meio da multidão. 
Se vives na comodidade, tens tendência a pôr-te automaticamente à defesa e a sentir como uma ameaça tudo o que sai dos procedimentos habituais. Toma consciência destes mecanismos interiores. 

Escuta pela segunda vez o Evangelho. Na pessoa de Jesus é o próprio Deus que te interpela. Ele precisa da tua fé, para poder entrar na tua vida. Se não lhe dás espaço, é como se estivesses a amordaçar e a manietar o próprio Deus.

Pede a graça de deixares cair as defesas e de te deixares interpelar pelo Senhor. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.