Sexta-feira da vigésima semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e quatro de agosto, sexta-feira, festa litúrgica de São Bartolomeu, apóstolo.

"Rezai continuamente", recomenda São Paulo.
Mas como?
Talvez percebendo que não precisas de dizer nada
para rezar.
Precisas, sobretudo, de fazer o que fazes
tendo como ambiente profundo
a presença de Deus, por vezes imperceptível, 
mas sempre lá,
onde tu estás.
Pede ao Senhor a graça desta presença...
e começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 1, 45-51]

Filipe encontrou Natanael e disse-lhe:
«Encontrámos Aquele de quem está escrito na Lei de Moisés
e nos Profetas.
É Jesus de Nazaré, filho de José». 
Disse-lhe Natanael:
«De Nazaré pode vir alguma coisa boa?».
Filipe respondeu-lhe: «Vem ver».
Jesus viu Natanael, que vinha ao seu encontro, e disse:
«Eis um verdadeiro israelita,
em quem não há fingimento».
Perguntou-lhe Natanael: «De onde me conheces?».
Jesus respondeu-lhe:
«Antes que Filipe te chamasse,
Eu vi-te quando estavas debaixo da figueira».
Disse-lhe Natanael:
«Mestre, Tu és o Filho de Deus, Tu és o Rei de Israel!».
Jesus respondeu:
«Porque te disse: ‘Eu vi-te debaixo da figueira’, acreditas.
Verás coisas maiores do que estas».
E acrescentou:
«Em verdade, em verdade vos digo:
Vereis o Céu aberto
e os Anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem».

Chamado pelo seu amigo Filipe, Bartolomeu Natanael é visto por Jesus. Não se trata de um ver por fora. Jesus vê neste israelita um homem sem fingimento, sincero e verdadeiro. Quando Jesus vê alguém – a ti, por exemplo – olha para o coração.

A relação com Jesus surpreende pelo modo como Ele respeita e aceita cada pessoa como é. “Donde me conheces?”. A pergunta não pretende inquirir espionagem, mas sintonizar como responder à sua predileção irrecusável. Pede a graça de escutar.

Quando Jesus toca o coração, nasce a primavera sem fim. Procura recordar a tua “figueira”, onde Jesus te viu pela primeira vez. Estavas a descansar? A dormir, talvez, sonhando com o doce fruto da Árvore da Vida?

“Verás coisas maiores do que estas”. E não serás só tu. É um grupo de discípulos amados, de olhos em Cristo, mãos e pés na terra deste mundo, fazendo subir tudo e todos para o Céu. Que maravilha! Agradece, reza, adora em silêncio, no coração.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.