Sexta-feira da vigésima primeira semana do Tempo Comum

Hoje é dia trinta e um de agosto, sexta-feira da vigésima primeira semana do
tempo comum.

A fidelidade de Deus para contigo nunca falha.
Ele chamou-te à oração
e está contigo
mesmo antes de tu começares a fazer-te presente ao seu amor.
Agradece ao Senhor esta generosidade sem limites,
deixa-te ficar tranquilamente na sua presença...
e começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 25, 1-13]

Jesus disse aos seus discípulos a seguinte parábola:
«O reino dos Céus pode comparar-se a dez virgens,
que, tomando as suas lâmpadas, foram ao encontro do esposo.
Cinco eram insensatas e cinco eram prudentes.
As insensatas, ao tomarem as suas lâmpadas,
não levaram azeite consigo,
enquanto as prudentes,
com as lâmpadas, levaram azeite nas almotolias.
Como o esposo se demorava,
começaram todas a dormitar e adormeceram.
No meio da noite ouviu-se um brado:
‘Aí vem o esposo; ide ao seu encontro’.
Então, as virgens levantaram-se todas e começaram a preparar as lâmpadas.
As insensatas disseram às prudentes:
‘Dai-nos do vosso azeite, que as nossas lâmpadas estão a apagar-se’.
Mas as prudentes responderam:
‘Talvez não chegue para nós e para vós.
Ide antes comprá-lo aos vendedores’.
Mas, enquanto foram comprá-lo, chegou o esposo:
as que estavam preparadas entraram com ele para o banquete nupcial;
e a porta fechou-se.
Mais tarde, chegaram também as outras virgens e disseram:
‘Senhor, senhor, abre-nos a porta’.
Mas ele respondeu:
‘Em verdade vos digo: Não vos conheço’.
Portanto, vigiai, porque não sabeis o dia nem a hora».

As protagonistas desta parábola são todas amigas do noivo, mas parece que
não são amigas entre si. Não comunicam umas com as outras. Porque não
partilharam que era preciso trazer azeite? É o nosso retrato, quando nos
fechamos em grupos, seitas, partidos. Deus não permita que isso te aconteça!

A lâmpada acesa pode significar a fé e o azeite as boas obras. Quando as
obras não são universais, a todos e a tudo, tornam-se rançosas. Servem para
iluminar, mas não aquecem o coração de ninguém.
O teu “azeite” é puro, é da “marca” Jesus de Nazaré?

O casamento que esperamos, durante a noite deste mundo, são as núpcias
eternas do Cordeiro.
Talvez a parábola queira, sobretudo, inculcar-te a prática da prudência e da
paciência. São amigas que sempre comunicam bem uma com a outra.

Pede ao Senhor que te permita entrar na festa do seu Reino. Diz-Lhe que estás
à porta, mas às vezes te deixas vencer pelo sono e não despertas para a sua
chegada. Pede-Lhe perdão pela tua insensatez.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.