Sexta-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum

Hoje é dia sete de setembro, sexta-feira da vigésima segunda semana do Tempo Comum.

Eis que a semana está prestes a concluir-se.
Começa a tua oração pedindo ao Senhor, sempre,
que oriente a tua vida segundo a sua vontade;
E recorda estas palavras do Salmo 14
que escutaste e rezaste no Domingo passado,
sobre quem é digno de habitar o santuário do Senhor:
«O que vive sem mancha e pratica a justiça
e diz a verdade que tem no seu coração
e guarda a sua língua da calúnia.
O que não faz mal ao seu próximo,
nem ultraja o seu semelhante».

Escuta esta passagem da Primeira Epístola de São Paulo aos Coríntios. [L1 1Cor 4, 1-5]

Todos nos devem considerar como servos de Cristo
e administradores dos mistérios de Deus.
Ora o que se requer nos administradores é que sejam fiéis.
Quanto a mim, pouco me importa
ser julgado por vós ou por um tribunal humano;
nem sequer me julgo a mim próprio.
De nada me acusa a consciência,
mas não é por isso que estou justificado:
quem me julga é o Senhor.
Portanto, não façais qualquer juízo antes do tempo,
até que venha o Senhor,
que há de iluminar o que está oculto nas trevas
e manifestar os desígnios dos corações.
E então cada um receberá da parte de Deus o louvor que merece.

Tem cuidado com a facilidade com que julgas os outros. Quem julga é o Senhor. Mesmo
quando os atos do outro pareçam merecedores de censura, procura sempre uma
desculpa para salvar a intenção.

Tem também cuidado se te inquieta o juízo que fazes de ti mesmo. «Nem sequer me julgo
a mim próprio», diz São Paulo. Sim, é bom fazeres o exame de consciência, não como
mania de introspeção, mas como uma delicadeza de filho que se quer conhecer com os
olhos bons e compreensivos do seu Pai Deus.

Pede perdão, repete com frequência, ao longo do dia, breves atos de contrição, simples
como: «desculpa lá, Senhor!». E despreocupa-te, não penses mais na falta ou erro:
descansa no colo do teu Pai.

Já pensaste que és um «administrador dos mistérios de Deus»? Ajuda o Senhor a
divulgar um dos seus grandes mistérios: o mistério de que é Pai, e um Pai bondoso.
Fala com o Senhor sobre a bondade que desejas colocar nas tuas relações, para que os
teus irmãos possam também conhecer a bondade do Pai.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.