Quarta-feira da décima segunda semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e sete de junho, quarta-feira da décima segunda semana do Tempo Comum.

Hoje, começa a tua oração
com esta prece de Alberto Caeiro
do seu «Poema do Menino Jesus»:
«Quando eu morrer, filhinho,
seja eu a criança, o mais pequeno.
Pega-me tu ao colo
e leva-me para dentro da tua casa.
Despe o meu ser cansado e humano
e deita-me na tua cama.
E conta-me histórias, caso eu acorde,
para eu tornar a adormecer.
E dá-me sonhos teus para eu brincar
até que nasça qualquer dia
que tu sabes qual é». 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 7, 15-20]

Disse Jesus aos seus discípulos:
«Acautelai-vos dos falsos profetas,
que andam vestidos de ovelhas,
mas por dentro são lobos ferozes.
Pelos frutos os conhecereis.
Poderão colher-se uvas dos espinheiros
ou figos dos cardos?
Assim, toda a árvore boa dá bons frutos
e toda a árvore má dá maus frutos.
Uma árvore boa não pode dar maus frutos,
nem uma árvore má dar bons frutos.
Toda a árvore que não dá bom fruto
é cortada e lançada ao fogo.
Portanto, pelos frutos os conhecereis». 

Jesus coloca-te perante um critério muito objetivo: os frutos são sinal da árvore de onde brotam. Se usares esse critério, conseguirás desmontar a tua realidade, as tuas escolhas e ações, para as ponderares com maior profundidade. Perceberás assim a que senhor andas a servir. Trata-se de um olhar em ordem à ação, seja ela de confirmação ou de mudança.  

Tornando concreto o apelo de Jesus, olha para a tua vida e perscruta o teu coração. Qual é o sentimento dominante que te habita? Paz, alegria, tristeza, angústia, incómodo? Consegues perceber qual a sua origem? Este é o início de um processo de autoconsciência que te levará a ver melhor os frutos e, por isso, a conhecer a árvore de onde brotam. O bem é para manter e o mal é para mudar, diz-te Jesus! 

Ao escutares novamente estas palavras de Jesus, procura dar mais espaço no teu íntimo ao seu conteúdo: «pelos frutos os conhecereis». 

Termina a tua oração pedindo ao Senhor a sabedoria para escolheres viver menos com base em impulsos e desejos imediatos, ponderando e esperando, cada vez mais, pelos frutos duradouros. Pede, também, a Nossa Senhora que te inspire neste caminho que tantas vezes se mostra difícil, por ser tão contrário à lógica que o mundo te quer impor. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.