Quinta-feira da décima sétima semana do Tempo Comum

Hoje é dia dois de agosto, quinta-feira da décima sétima semana do Tempo Comum. 

Estás prestes a iniciar o teu momento de oração.
Reconhece-te envolvido no Mistério,
a presença divina, um Deus com rosto maternal e paternal.
Encontra-te com o dom e o excesso,
as dúvidas e temores,
os passos e as paragens
que habitam os teus dias.
E reconhece, em todos eles,
o Espírito que, no teu íntimo, sussurra: “Abbá, Pai!”.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 13, 47-53]

Disse Jesus à multidão:
«O reino dos Céus é semelhante
a uma rede que, lançada ao mar,
apanha toda a espécie de peixes.
Logo que se enche, puxam-na para a praia
e, sentando-se, escolhem os bons para os cestos
e o que não presta deitam-no fora.
Assim será no fim do mundo:
os Anjos sairão a separar os maus do meio dos justos
e a lançá-los na fornalha ardente.
Aí haverá choro e ranger de dentes.
Entendestes tudo isto?».
Eles responderam-Lhe: «Entendemos».
Disse-lhes então Jesus:
«Por isso, todo o escriba instruído sobre o reino dos Céus
é semelhante a um pai de família
que tira do seu tesouro coisas novas e coisas velhas».
Quando acabou de proferir estas parábolas,
Jesus continuou o seu caminho. 

Esta é a última das parábolas do reino dos Céus. Os peixes que vêm na rede são escolhidos: os bons, para comer; o resto, para atirar ao mar. Esta constitui a operação final da pesca. 
O que traz a rede lançada na tua vida? Aproveita este tempo para deitar contas à vida. Abre-te ao perdão, essa vida nova dos filhos de Deus!

Jesus elogia o escriba que é capaz de harmonizar as Escrituras com o reino dos Céus. A letra das Escrituras não constitui um fim em si mesmo. As Escrituras só têm pleno cumprimento no reino dos Céus. 
Com a sua morte e ressurreição, Jesus abre-te a passagem do reino dos Céus. Procura, por isso, viver realmente como filho de Deus! 

Escuta pela segunda vez o Evangelho. Há coisas na tua vida que não podes manter, que tens de arrancar pela raiz e lançar fora. Em contrapartida, há coisas que, embora diferentes umas das outras, deve acolher. Fica atento às palavras de Jesus.

Pede ao Senhor a graça do discernimento: o que tens de cortar e o que tens de conservar? 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.