Segunda-feira da décima sexta semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e três de julho, festa litúrgica de Santa Brígida, Padroeira da Europa.

Em 1999, o Papa João Paulo II declarou Santa Brígida
como uma das padroeiras da Europa.
Natural da Suécia, no século XIV,
o percurso de Brígida mergulhou, numa densa e feliz unidade,
entre a sua vida familiar
e a consagração ao Senhor.
Num período de fortes turbulências e perturbações
que afetavam a Europa,
Brígida surgiu como um testemunho apaixonado
de comunhão com o Senhor da sua vida.
Começa a tua oração, hoje,
na certeza do Amor e da Bondade do Senhor
na tua vida.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 15, 1-8]

Disse Jesus aos seus discípulos:
«Eu sou a verdadeira vide e meu Pai é o agricultor.
Ele corta todo o ramo que está em Mim e não dá fruto
e limpa todo aquele que dá fruto,
para que dê ainda mais fruto.
Vós já estais limpos, por causa da palavra que vos anunciei.
Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós.
Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo,
se não permanecer na videira,
assim também vós, se não permanecerdes em Mim.
Eu sou a videira, vós sois os ramos.
Se alguém permanece em Mim e Eu nele, esse dá muito fruto,
porque sem Mim nada podeis fazer.
Se alguém não permanece em Mim,
será lançado fora, como o ramo, e secará.
Esses ramos, apanham-nos, lançam-nos ao fogo e eles ardem.
Se permanecerdes em Mim
e as minhas palavras permanecerem em vós,
pedireis o que quiserdes e ser-vos-á concedido.
A glória de meu Pai é que deis muito fruto.
Então vos tornareis meus discípulos». 

A alegoria da videira, que escutaste, foi narrada por Jesus no contexto da última ceia. Na sua paixão, Jesus assumiu até às últimas consequências a condição humana. Deste modo, Jesus liberta-te a partir de dentro e escancara-te a vida em Deus. Mas a tua vida precisa de ser podada de tudo o que é impedimento a esta vida nova.
Que coisas concretas te pede o Senhor que cortes pela raiz? 

A videira é a árvore predileta do agricultor. «Eu sou a verdadeira vide e meu Pai é o agricultor». Jesus quer que entres também nesta comunhão. Daí a insistência, quase à exaustão, na necessidade de permaneceres n'Ele. O enxerto é resultado duma ferida de parte a parte, permitindo que permaneças em Jesus. É este o teu único tesouro! 

Escuta pela segunda vez o Evangelho. Atenta no movimento de ser ramo podado, permanecer na videira e dar fruto. A tua vida reflete a tua comunhão com Jesus. Mais ainda, a comunhão com Jesus permite que leves esta vida divina aos outros. 

Pede a graça de te deixares podar, de viveres em maior comunhão com Jesus e de seres testemunha da vida em Deus. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.