Quarta-feira da primeira semana do Advento

Hoje é dia cinco de dezembro, quarta-feira, memória litúrgica dos Santos Martinho de Dume, Frutuoso e Geraldo.

Cada dia traz consigo novas oportunidades,
mesmo se parece ser apenas a repetição infindável das mesmas coisas.
Com a oração acontece algo parecido:
mesmo se parece sempre igual,
é, em cada dia, uma oportunidade para renovares a tua relação com o Senhor,
uma oportunidade de O conheceres melhor
e de te deixares renovar pelo seu amor.
Deixa que o Senhor venha ao teu encontro... e começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 15, 29-37]

Jesus foi para junto do mar da Galileia e, subindo ao monte, sentou-Se.
Veio ter com Ele uma grande multidão,
trazendo coxos, aleijados, cegos, mudos e muitos outros,
que lançavam a seus pés.
Ele curou-os, de modo que a multidão ficou admirada,
ao ver os mudos a falar,
os aleijados a ficar sãos,
os coxos a andar e os cegos a ver;
e todos davam glória ao Deus de Israel.
Então Jesus, chamando a Si os discípulos, disse-lhes:
«Tenho pena desta multidão,
porque há três dias que estão comigo e não têm que comer.
Mas não quero despedi-los em jejum,
pois receio que desfaleçam no caminho».
Disseram-Lhe os discípulos:
«Onde iremos buscar, num deserto,
pães suficientes para saciar tão grande multidão?»
Jesus perguntou-lhes: «Quantos pães tendes?»
Eles responderam-Lhe:
«Sete, e alguns peixes pequenos».
Jesus ordenou então às pessoas que se sentassem no chão.
Depois tomou os sete pães e os peixes
e, dando graças, partiu-os e foi-os entregando aos discípulos
e os discípulos distribuíram-nos pela multidão.
Todos comeram até ficarem saciados.
E com os pedaços que sobraram encheram sete cestos.

O milagre não é a multiplicação dos pães. O milagre é a partilha dos cinco pães e dois peixes. A salvação não virá de uma nova teoria económica. A salvação acontece no momento em que damos graças pelo que temos na mesa. Não há falta de alimentos, há falta de coração.

O Senhor conhece as tuas debilidades, a tua pequenez, o pouco que és e tens, mas é precisamente esse pouco que Ele deseja de ti.

Ao escutar de novo o Evangelho, repara como Jesus a todos cura e a todos alimenta. Temos a certeza: Ele ama-nos.

Sentes compaixão pelo sofrimento de quem está à tua volta? O que fazes?

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.