Quarta-feira, segundo dia da Oitava do Natal

Hoje é dia 26 de dezembro, quarta-feira, festa litúrgica de Santo Estêvão, o primeiro mártir cristão.

Ontem celebraste alegremente o nascimento de Jesus
e o ambiente que te rodeia encontra-se ainda marcado
pelos tons do Natal.
No entanto, hoje a Igreja
coloca diante de ti a memória do primeiro mártir,
Santo Estêvão.
Sem perderes a alegria do Natal,
considera como o seguimento de Jesus implica sempre dar a vida.
Hoje, de modo particular,
traz à tua oração os teus irmãos perseguidos, maltratados e mortos
por causa da fé em Jesus...
E reza também pelos voluntários da Ajuda à Igreja que Sofre,
tão empenhados em servir estes irmãos.

Escuta esta passagem do Livro dos Atos dos Apóstolos. [L1 Atos 6, 8-10; 7, 54-59]

Estêvão, cheio de graça e fortaleza,
fazia grandes prodígios e milagres entre o povo.
Entretanto, alguns membros da sinagoga chamada dos Libertos,
oriundos de Cirene, de Alexandria, da Cilícia e da Ásia,
vieram discutir com Estêvão,
mas não eram capazes de resistir à sabedoria e ao Espírito Santo
com que ele falava.
Ao ouvirem as suas palavras,
estremeciam de raiva em seu coração e rangiam os dentes contra Estêvão.
Mas Estêvão, cheio do Espírito Santo, de olhos fitos no Céu,
viu a glória de Deus e Jesus de pé à sua direita e exclamou:
«Vejo o Céu aberto
e o Filho do homem de pé à direita de Deus».
Então levantaram um grande clamor e taparam os ouvidos;
depois atiraram-se todos contra ele,
empurraram-no para fora da cidade e começaram a apedrejá-lo.
As testemunhas colocaram os mantos
aos pés de um jovem chamado Saulo.
Enquanto o apedrejavam,
Estêvão orava, dizendo:
«Senhor Jesus, recebe o meu espírito».

No sangue derramado do primeiro mártir cristão celebramos o paradoxo do Filho de Deus que nasce e morre para dar a vida ao mundo. És assim conduzido a contemplar no bebé deitado numa manjedoura a pedra angular e, ao mesmo tempo, a pedra de tropeço de que fala a Escritura.
Amar a Cristo e segui-Lo é oferecer livremente a própria vida, sem cuidar das consequências.

Estêvão morreu implorando o perdão para os seus perseguidores, manifestando dessa forma que o verdadeiro mártir não é contra ninguém, mas oferece a sua vida para que todos possam aderir à mensagem do Evangelho.
Como podes oferecer a tua vida, hoje, pela divulgação do Evangelho da paz? Sê generoso como Estêvão no seguimento de Jesus.

Escuta novamente a passagem dos Atos e pede a graça de seres testemunha da beleza desarmada do Evangelho.

Ao terminares a tua oração, reza por todos os que vivem em situações de guerra, pelos irmãos perseguidos, para que possam responder «sim» ao que o Senhor lhes pedir.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.