Quarta-feira do Tempo do Natal

Hoje é dia dois de janeiro, quarta-feira, memória litúrgica dos santos Basílio e Gregório de Nazianzo.

Passadas as festas e dispersão próprias do começo do ano,
deixa-te reconduzir ao silêncio pacífico e pacificador do ritmo de todos os dias.
A vida é mesmo assim
e só assim pode ser vivida:
com tempos de festa que valorizam o ritmo normal do quotidiano;
e com a vida de todos os dias a criar lugar para os tempos de festa,
sem os quais o peso da rotina seria bem mais difícil de suportar.
Cultiva o desejo deste silêncio quotidiano,
desta tranquilidade dos dias que passam,
nos quais é mais fácil experimentar a presença de Deus...
e começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 1, 19-28]

Foi este o testemunho de João Batista,
quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém
sacerdotes e levitas para lhe perguntarem:
«Quem és tu?»
Ele confessou e não negou: «Eu não sou o Messias».
Eles perguntaram-lhe: «Então, quem és tu? És Elias?»
«Não sou», respondeu ele.
«És o Profeta?»
Ele respondeu: «Não».
Disseram-lhe então: «Quem és tu?
Para podermos dar uma resposta àqueles que nos enviaram,
que dizes de ti mesmo?»
Ele declarou:
«Eu sou a voz que clama no deserto:
‘Endireitai o caminho do Senhor’,
como disse o profeta Isaías».
Entre os enviados havia fariseus que lhe perguntaram:
«Então porque batizas, se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?»
João respondeu-lhes:
«Eu batizo na água; mas no meio de vós está Alguém que não conheceis:
Aquele que vem depois de mim,
a quem eu não sou digno de desatar a correia das sandálias».
Tudo isto se passou em Betânia, além do Jordão,
onde João estava a batizar.

Para ser a voz de alguém, não basta fazer de microfone. Supõe uma identificação plena. O exemplo de João Batista fala por si. A sua missão é anunciar Jesus, o Amigo “que vem depois”, o Verbo encarnado.

Temos tendência para apresentar um curriculum cheio de diplomas e cargos. Só Deus, porém, nos conhece.
Pergunta a Jesus quem és tu. Ouves aquilo que Ele diz de ti? Não te preocupes em responder com palavras. Pratica quem és.

Pretendem enredar João Batista. És outro Elias? Que havemos de responder a quem nos enviou?
Não te compares, nem queiras servir de fotocópia. Os modelos que desfilam são, muitas vezes, tentações de vanglória.

Conversa com o Senhor sobre quem és e quem podes ser. Pergunta-Lhe sobre a tua missão: até onde já foste e o que te falta ainda caminhar...

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.