Terça-feira da oitava semana do Tempo Comum

Hoje é dia cinco de março, terça-feira da oitava semana do tempo comum.

“Aclamai o Senhor, terra inteira. Exultai de alegria e cantai”.
Fica unido a este grito de alegria do salmista,
diante das maravilhas de Deus.
O povo de Israel sofreu muito às mãos dos seus inimigos,
em variados momentos da sua história,
mas o salmista não deixa de cantar alegremente as maravilhas do Senhor.
Talvez possas fazer o mesmo,
apesar das dificuldades e sofrimentos que a vida sempre traz consigo.
Com este desejo, começa a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Marcos. [Ev Mc 10, 28-31]

Pedro começou a dizer a Jesus:
«Vê como nós deixámos tudo para Te seguir».
Jesus respondeu:
«Em verdade vos digo:
Todo aquele que tiver deixado casa,
irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos ou terras,
por minha causa e por causa do Evangelho,
receberá cem vezes mais, já neste mundo,
em casas, irmãos, irmãs, mães, filhos e terras,
juntamente com perseguições,
e, no mundo futuro, a vida eterna.
Muitos dos primeiros serão os últimos
e muitos dos últimos serão os primeiros».

A lógica de Deus não é como a do mundo, onde os primeiros são os que mais têm, mais possuem e mais podem. Se vivemos apegados a bens, pessoas e projetos, vivemos em função de tudo isto e colocamos aí a nossa felicidade.
Que apegos te impedem de ser mais feliz?

Os meios não se podem confundir com o fim da vida humana: viver como filhos de Deus em Jesus Cristo.
Que meios vais absolutizando e te desviam do fim para o qual foste criado? Que relações te estão a fazer perder a liberdade de seres um cristão autêntico?

A recompensa do seguimento do Reino de Deus é grande e generosa, mas vem acompanhada de perseguições. É o lado da exigência do testemunho num mundo onde Deus não faz sentido. Jesus não nos tira as dificuldades, mas promete caminhar ao nosso lado.

Os últimos são reconhecidos no coração de Deus por depositarem n’Ele as suas seguranças. É a estes que Jesus entrega a medalha de ouro, quando chegam à meta depois de todos os outros!
Se procurares ser o último na crítica negativa e no querer que todos te sirvam, serás o primeiro a pacificar e a partilhar como Jesus.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.