Quarta-feira da Semana Santa

Hoje é dia vinte e três de Março, quarta-feira da Semana Santa. 

Jesus sabe que é pelo ódio e pela inveja que é perseguido. 
Ele sabe que se poderia afastar e levar uma vida tranquila longe de Jerusalém.
Mas Ele não está ali para fazer a sua vontade, não anda à procura da sua satisfação. 
A Ele só lhe importa fazer a vontade do Pai. Sabe em quem colocou a sua confiança e sabe que o Amor nunca o abandonará. É com esta certeza que Ele permanece. Ele sabe que é por Amor que o Pai O enviou para libertar a humanidade de todo o mal. 
Acompanha Jesus nestes seus últimos dias e pede-Lhe a graça de, como Ele, fazeres sempre a vontade de Deus na tua vida. Assim, vale a pena começares a tua oração. 

 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Mt 26, 14-25]

Um dos Doze, chamado Iscariotes,
foi ter com os príncipes dos sacerdotes e disse-lhes:
«Que estais dispostos a dar-me para vos entregar Jesus?»
Eles garantiram-lhe trinta moedas de prata.
A partir de então,
Judas procurava uma oportunidade para O entregar.
No primeiro dia dos Ázimos,
os discípulos foram ter com Jesus e perguntaram-Lhe:
«Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?»
Ele respondeu:
«Ide à cidade, a casa de tal pessoa, e dizei-lhe:
‘O Mestre manda dizer:
O meu tempo está próximo.
É em tua casa que Eu quero celebrar a Páscoa com os meus discípulos’».
Os discípulos fizeram como Jesus lhes tinha mandado
e prepararam a Páscoa.
Ao cair da tarde, sentou-Se à mesa com os Doze.
Enquanto comiam, declarou:
«Em verdade, em verdade vos digo: Um de vós Me entregará».
Profundamente entristecidos,
começou cada um a perguntar-Lhe:
«Serei eu, Senhor?»
Jesus respondeu: 
«Aquele que meteu comigo a mão no prato é que vai entregar-Me.
O Filho do homem vai partir, como está escrito acerca d’Ele.
Mas ai daquele por quem o Filho do homem vai ser entregue!
Melhor seria para esse homem não ter nascido».
Judas, que O ia entregar, tomou a palavra e perguntou:
«Serei eu, Mestre?»
Respondeu Jesus: «Tu o disseste».

 

Pontos de oração

“O Mestre manda dizer: O meu tempo está próximo; é em tua casa que quero celebrar a Páscoa com os meus discípulos”. 
A vida terrena de Jesus chega ao fim para dar lugar à possibilidade duma comunhão muito maior entre Jesus e os discípulos, entre ti e Jesus. 
Jesus é o cordeiro sem mancha que te liberta do pecado e te conduz à comunhão com Deus. Ele dá-se totalmente, comunicando-te a sua vida – nomeadamente na Reconciliação e na Eucaristia.

Jesus diz: “Aquele que meteu comigo a mão no prato é que vai entregar-Me.” 
É um dos que come com ele, um discípulo que teve o privilégio de o acompanhar na sua vida pública, que o irá entregar.  A traição é uma possibilidade que permanece em aberto, mesmo para quem lhe é mais chegado. Por isso, todos os amigos de Jesus precisam de estar vigilantes e abertos à misericórdia divina. 

Escuta novamente o Evangelho. Ouve as palavras de Jesus que diz: “Mas ai daquele por quem o Filho do homem vai ser entregue!” 
A vida não é uma brincadeira, pelo contrário, és responsável pelas tuas escolhas, para que possas receber a vida plena. 

 

 

Colóquio final

Pede a graça de não desperdiçares a vida, tendo sempre bem presente que se encontra em jogo a tua vida plena.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.