Quarta-feira da terceira semana do Tempo Pascal

Hoje é dia dezoito de abril, quarta-feira da terceira semana do Tempo Pascal.

Qual é o sinal mais forte, lúcido e transparente
de uma vida verdadeiramente pascal
senão a caridade?
Hoje, começa a tua oração
escutando no teu coração estas palavras
de João Crisóstomo, pronunciadas no século quarto:
«Tal como não é possível navegar pelo mar
sem que haja portos e ancoradouros,
tampouco é possível que a nossa vida tenha consistência
se dela eliminarmos a compaixão, o perdão e a caridade».

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 6, 35-40]

Disse Jesus à multidão:
«Eu sou o pão da vida:
Quem vem a Mim nunca mais terá fome
e quem acredita em Mim nunca mais terá sede.
No entanto, como vos disse,
‘embora tivésseis visto, não acreditais’.
Todos aqueles que o Pai Me dá virão a Mim
e àqueles que vêm a Mim não os rejeitarei,
porque desci do Céu, não para fazer a minha vontade,
mas a vontade d’Aquele que Me enviou.
E a vontade d’Aquele que Me enviou é esta:
que Eu não perca nenhum dos que Ele Me deu,
mas os ressuscite no último dia.
De facto, é esta a vontade de meu Pai:
que todo aquele que vê o Filho e acredita n’Ele
tenha a vida eterna;
e Eu o ressuscitarei no último dia». 

 

A fome é algo que todos os homens e mulheres têm, um estado comum a cada um de nós. Têm fome aqueles a quem falta pão para comer, têm fome os que são privados de carinho e afeto, têm fome os que não puderam ter cultura e oportunidades.
Pensa em quem tem fome e pensa na tua própria fome…

Na passagem do Evangelho de João que escutaste, o Senhor revela uma pedagogia vital: a nossa vida é chamada a ser uma contínua passagem, uma páscoa, rumo à vida plena e divina. Por isso, o nosso coração tem fome e sede de sentido, de esperança, de amor. 
Hoje, coloca-te esta pergunta: quais são as tuas fomes? 

Escuta de novo a passagem e pensa em tantos outros à tua volta: os que gostariam de ter melhores condições de vida, os que desejariam ser melhores, os que sofrem por desencontros e mortes, os que não percebem grande parte do que os rodeia, os que não dominam todas as variáveis do jogo da vida. Convoca a esta oração uma pessoa das tuas relações com uma ‘fome particular’. Reza por essa pessoa, para que se abra ao Pão que é o amor de Deus. 

 

Agradece a Deus este tempo com Ele e pede-Lhe não só alimento, mas fome do alimento que importa...

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.