Quarta-feira da vigésima nona semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e cinco de outubro, quarta-feira da vigésima nona semana do Tempo Comum.

Estás prestes a iniciar
este breve momento de oração.
Hoje é um dia diferente de ontem,
e tu és diferente: nunca deixes de recomeçar no perdão,
como te sugerem os seguintes versos
do poeta Armando Silva Carvalho:
«Concede o teu perdão àquele que foste ontem
e não te conhece hoje (...)
A verdade é só uma, o que tu foste ontem
já não te conhece».

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 12, 39-48]

Disse Jesus aos seus discípulos:
Compreendei isto:
se o dono da casa soubesse a que hora viria o ladrão,
não o deixaria arrombar a sua casa.
Estai vós também preparados,
porque na hora em que não pensais virá o Filho do homem».
Disse Pedro a Jesus:
«Senhor, é para nós que dizes esta parábola,
ou também para todos os outros?».
O Senhor respondeu:
«Quem é o administrador fiel e prudente
que o senhor estabelecerá à frente da sua casa,
para dar devidamente a cada um a sua ração de trigo?
Feliz o servo a quem o senhor, ao chegar,
encontrar assim ocupado.
Em verdade vos digo que o porá à frente de todos os seus bens.
Mas se aquele servo disser consigo mesmo:
‘O meu senhor tarda em vir’;
e começar a bater em servos e servas,
a comer, a beber e a embriagar-se,
o senhor daquele servo chegará no dia em que menos espera
e a horas que ele não sabe;
ele o expulsará e fará que tenha a sorte dos infiéis.
O servo que, conhecendo a vontade do seu senhor,
não se preparou ou não cumpriu a sua vontade,
levará muitas vergastadas.
Aquele, porém, que, sem a conhecer,
tenha feito ações que mereçam vergastadas,
levará apenas algumas.
A quem muito foi dado, muito será exigido;
a quem muito foi confiado, mais se lhe pedirá». 

 

Pontos de oração

Ainda que tenhas bens, ainda que tenhas pessoas a trabalhar às tuas ordens, ainda que julgues que tens alguma importância, não te esqueças daquilo que és: um servo do Senhor que deve atuar com os outros como o Senhor atuaria.

O perigo maior é julgares que o teu Senhor “tarda em vir”, que Deus não Se preocupa ou não está atento. Se ficas longe de Deus, não te admires por sentires maior inclinação para o conflito e a desconfiança, e para comer e beber mais do que a conta.

Não venhas com a desculpa de que há quem faça ou seja pior que tu. Sabes bem que não há balança para fazer essa pesagem. E, além disso... escuta com atenção o que o Senhor te diz no final do Evangelho.

 

Colóquio final

O facto de Deus pedir mais a quem mais confia não te deve inibir de te ofereceres ao Senhor para Lhe seres dócil a todas as graças e missões que te queira confiar. Diz-Lhe como Lhe disse o profeta Samuel: “Senhor, aqui me tens porque me chamaste!”. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.