Quarta-feira da vigésima oitava semana do tempo comum

Hoje é dia dezasseis de outubro, quarta-feira da vigésima oitava semana do tempo comum.

Procura fazer da tua oração um tempo de descanso no Senhor. Só tu sabes quanto precisas de um descanso assim, todo entregue nas mãos de Deus, na certeza de que Ele é o teu salvador. Se olhares à tua volta, se atenderes às notícias de cada dia não podes deixar de sentir como são frágeis as seguranças humanas. E não podes deixar de perceber que o discípulo de Cristo está sempre sujeito ao escárnio do mundo ou à perseguição dos homens. Mas podes confiar em Deus, pois Ele é a tua fortaleza... Com esta certeza começa tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 11, 42-46]

Disse o Senhor: «Ai de vós, fariseus, porque pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as hortaliças, mas desprezais a justiça e o amor de Deus! Devíeis praticar estas coisas, sem omitir aquelas. Ai de vós, fariseus, porque gostais do primeiro lugar nas sinagogas e das saudações na praça pública! Ai de vós, porque sois como sepulcros disfarçados, sobre os quais passamos sem o saber!». Então um dos doutores da lei tomou a palavra e disse a Jesus: «Mestre, ao dizeres essas palavras também nos insultas a nós». Jesus respondeu: «Ai de vós também, doutores da lei, porque impondes aos homens fardos insuportáveis e vós próprios nem com um só dedo tocais nesses fardos!».

Ai de vós, ai de nós, quando cumprimos as regras, evitamos as multas mas não amamos nem fazemos nada por um mundo mais justo. Ai de ti, quando o que fazes ou dizes é mais para parecer e ser bem visto e aplaudido do que para servir os outros e a verdade. Temos uma cultura superficial, sem espírito crítico, sem solidariedade. Que te parece?

Talvez pior seja aquela cegueira de impor aos outros aquilo que tu não queres fazer e exigir-lhes o que eles não podem dar. Que atitude tomas quando vês tais comportamentos?

Agora, imaginando-te diante de Jesus e a falar abertamente com Ele, pensas que há alguma coisa na tua vida que mereça que Ele te diga “Ai de ti” se vais por aí...?

Pede a graça da gratuidade e de crescer nos compromissos por um mundo mais justo e de relações mais saudáveis.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.