Quarta-feira da vigésima sétima semana do tempo comum

Hoje é dia nove de outubro, quarta-feira da vigésima sétima semana do tempo comum.

“Vós, Senhor, sois bom e indulgente”. Como podem ser pacificadoras, ditas com o coração, estas palavras do salmista. “Vós, Senhor, sois bom e indulgente”. Procura sentir a bondade de Deus, que nunca te trata como os teus pecados merecem, mas sempre segundo a infinita indulgência do seu amor por ti. E deseja, do mais fundo do teu coração, ser como o Senhor, junto dos teus irmãos: bom e indulgente, pronto a perdoar o mal feito e a desculpar as ofensas, sobretudo as que mais te magoam. Não é fácil, mas é o caminho do Evangelho. Deseja percorrer este caminho... e começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 11, 1-4]

Jesus estava em oração em certo lugar. Ao terminar, disse-Lhe um dos discípulos: «Senhor, ensina-nos a orar, como João Baptista ensinou também os seus discípulos». Disse-lhes Jesus: «Quando orardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o vosso nome; venha o vosso reino; dai-nos em cada dia o pão da nossa subsistência; perdoai-nos os nossos pecados, porque também nós perdoamos a todo aquele que nos ofende; e não nos deixeis cair em tentação’».

Logo de manhã, todos os dias, devias pedir a Jesus que te ensine a rezar a oração certa para cada dia, para cada situação. Podes sempre vir a rezar melhor! E Jesus dirá sempre: pega na tua situação concreta e fala com Deus Pai: conversa com Ele, que te ama, te cria e te quer como meu companheiro.

O Pai-Nosso não é uma fórmula mágica. Jesus só rezava “Pai nossos”: nos Evangelhos aparecem muitos: quando ensina, quando agradece, quando pede ajuda, na cruz, etc. O importante é que tu também fales a Deus na intimidade, com verdade e confiança.

Ouve bem este Pai-Nosso em S. Lucas, mais curto e sublinhando o “alimento substancial”. Pensa bem como precisas, cada dia, desse Pão que é Jesus ressuscitado. Como em cada dia é preciso também o alimento espiritual.

Agora dispõe-te a construir o teu Pai-Nosso para este dia e para cada dia. Inventa-o: deixa o teu coração falar. Como dizia Santa Teresa de Ávila: como um amigo fala ao seu amigo.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.