Quarta-feira, memória litúrgica de Santa Cecília

Hoje é dia vinte e dois de novembro, quarta-feira, memória litúrgica de Santa Cecília.

Hoje, começa a tua oração
acolhendo no teu coração estas palavras de confiança
escritas pelo profeta Isaías:
«Porque murmuras, Israel: 
“O Senhor não compreende o meu destino, 
o meu Deus ignora a minha causa!”. 
Porventura não sabes? Será que não ouviste? 
O Senhor é um Deus eterno, que criou os confins da terra. 
Não se cansa nem perde as forças.
É insondável a sua sabedoria. 
Aqueles que confiam no Senhor renovam as suas forças. 
Têm asas como a águia, correm sem se cansar, 
marcham sem desfalecer». 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 19, 11-28]

Jesus disse a seguinte parábola: 
«Um homem nobre foi para uma região distante,
a fim de ser coroado rei e depois voltar.
Antes, porém, chamou dez dos seus servos e entregou-lhes dez minas, dizendo:
‘Fazei-as render até que eu volte’. (...).
Quando voltou, investido do poder real, mandou chamar à sua presença
os servos a quem entregara o dinheiro, para saber o que cada um tinha lucrado.
Apresentou-se o primeiro e disse:
‘Senhor, a tua mina rendeu dez minas’.
Ele respondeu-lhe: ‘Muito bem, servo bom!
Porque foste fiel no pouco, receberás o governo de dez cidades’.
Veio o segundo e disse-lhe: ‘Senhor, a tua mina rendeu cinco minas’.
A este respondeu igualmente: ‘Tu também, ficarás à frente de cinco cidades’.
Depois veio o outro e disse-lhe:
‘Senhor, aqui está a tua mina, que eu guardei num lenço,
pois tive medo de ti, que és homem severo:
levantas o que não depositaste e colhes o que não semeaste’.
Disse-lhe o rei: ‘Servo mau, pela tua boca te julgo.
Sabias que sou homem severo,
que levanto o que não depositei e colho o que não semeei.
Então, porque não entregaste ao banco o meu dinheiro?
No meu regresso tê-lo-ia recuperado com juros’.
Depois disse aos presentes: ‘Tirai-lhe a mina e dai-a ao que tem dez’.
Eles responderam-lhe: ‘Senhor, ele já tem dez minas!’.
O rei respondeu: ‘Eu vos digo:
A todo aquele que tem se dará mais,
mas àquele que não tem, até o que tem lhe será tirado.

 

Pontos de oração

O Senhor distribuiu dez minas por dez servos – uma mina a cada servo – para que as fizessem render. Todos receberam a mesma quantia. 
Deus é assim na relação com cada um: ama a todos por igual; cada um recebe a medida cheia, em função da sua capacidade.

O Senhor retribui a cada servo em função dos frutos que dá. Ao servo cuja mina rende dez, é-lhe confiado o governo de dez cidades. Àquele cuja mina rende cinco, são-lhe confiadas cinco cidades.
A questão não está no quanto recebes, mas no que fazes com o que recebes. 

“Tirai-lhe a mina e dai-a ao que tem dez”. 
A vida em Deus é de uma abundância indescritível e está para lá de todas as lógicas humanas: quem dá mais fruto mostra também mais capacidade para acolher!
Escuta pela segunda vez o Evangelho...

 

Colóquio final

Pede ao Senhor a graça de viveres o momento presente na expectativa da sua segunda vinda, dando muito fruto. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.