Quarta-feira, memória litúrgica de Santo Inácio de Loiola

Hoje é dia trinta e um de julho, quarta-feira, memória litúrgica de Santo Inácio de Loiola.

Inácio de Loiola, que a Igreja hoje celebra, foi o fundador da Companhia de Jesus. Mas foi também um extraordinário mestre da vida espiritual, sobretudo porque os seus ensinamentos nasceram sempre da experiência: a experiência da conversão, do encontro com Jesus, do serviço aos irmãos... A experiência espiritual de Inácio continua viva e a dar frutos. E até este “passo a rezar”, que te ajuda a fazer oração todos os dias, é fruto dessa experiência. Hoje, se te parecer bem, dá graças ao Senhor pela vida de Santo Inácio de Loiola, pela Ordem religiosa que ele fundou... e começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem da primeira carta de São Paulo aos Coríntios. [ L 1 1 Cor 10, 31 – 11, 1 – do Santoral]

Quer comais, quer bebais, ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para glória de Deus. Portai-vos de modo que não deis escândalo nem aos judeus, nem aos gregos, nem à Igreja de Deus. Fazei como eu, que em tudo procuro agradar a toda a gente, não buscando o próprio interesse, mas o de todos, para que possam salvar-se. Sede meus imitadores, como eu o sou de Cristo.

Hoje a Igreja recorda Santo Inácio de Loiola. Depois de viver o “glamour” da vida da corte e o fascínio da vida militar, comprovou que tudo isso é nada em comparação com a experiência de Deus, da “glória de Deus”. Por isso ele é um alerta para quando te ofuscas com o brilho efémero de uma vida regalada.

Chamado a militar por Deus, Inácio não foi levado a uma vida mais estreita, mas a uma vida maior. Aprendeu, e ensina-te, a aventurar-se para as periferias e fronteiras da existência, onde o Espírito de Deus também está, “para que todos possam salvar-se”.

Conviver com todos, compreender a todos, em todos encontrar valor e junto de todos ajudar a tornar presente a bondade de Deus. É o exemplo de Paulo, é o exemplo de Inácio, que podes imitar com a intenção de imitar Cristo, que será sempre, e em tudo, o teu maior modelo.

Faz tudo com retidão, tendo Deus presente. Mas lembra-te que os outros veem o teu agir. A epístola recomenda-te que te portes “de modo que não dês escândalo nem aos judeus, nem aos gregos, nem à Igreja de Deus”. É uma exigência de finura que não deves desprezar no teu dia a dia.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.