Quarta-feira, memória litúrgica dos Beatos Inácio de Azevedo e seus Companheiros, mártires

Hoje é dia dezassete de julho, quarta-feira, memória litúrgica dos Beatos Inácio de Azevedo e seus Companheiros, mártires.

Inácio de Azevedo e os seus jovens companheiros tinham um sonho: levar o Evangelho ao Brasil. O barco onde viajavam foi capturado por piratas protestantes que os assassinaram por ódio à fé católica. Ao todo, foram assassinados quarenta missionários católicos. Mudam os tempos e os locais, mas algo não muda: os cristãos continuam a ser perseguidos, um pouco por toda a parte. E se nem todos enfrentam o martírio, muitos há que não lhe escapam, dando a vida por Cristo e pelo seu Evangelho. Procura não esquecer estes irmãos na fé e aqueles que se esforçam por socorrê-los, como os voluntários da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre. E começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelhos segundo São Mateus. [Ev Mt 11, 25-27]

Jesus exclamou: «Eu Te bendigo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas verdades aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, Eu Te bendigo, porque assim foi do teu agrado. Tudo Me foi dado por meu Pai. Ninguém conhece o Filho senão o Pai e ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar».

Encontras o Jesus apaixonado e Ele esclarece-te a razão de estar apaixonado. Ele é consumido pelo desejo de revelar a todos a “vontade amorosa” do seu Pai e espera que tu tenhas a abertura de uma criança para a acolher. Fica com Jesus e ouve o seu desejo mais profundo para ti. Talvez este desejo seja que te aprecies a ti mesmo e tudo o que já és, antes de sonhares tudo aquilo em que ainda te podes tornar.

Vês-te como "sábio e inteligente" ou como "criança"? O orgulho impede de amar e conhecer Deus. Fecha a mente para a verdade e a sabedoria de Deus. A verdadeira humildade e uma mente aberta podem levar-te ao amor e ao conhecimento de Deus. Simplicidade e humildade de criança é o solo no qual a graça de Deus pode criar raízes.

Escuta novamente o Evangelho e pede a graça de te tornares como as crianças, na simplicidade da confiança.

Ao terminar a tua oração recorda-te de todas as crianças que sofrem no mundo e pede a graça da conversão para aqueles que as abandonam e maltratam.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.