Quinta-feira, comemoração de Todos os Fiéis Defuntos

Hoje é dia dois de novembro, quinta-feira, comemoração de Todos os Fiéis Defuntos. 

Há dias que pertencem à nossa memória.
Uma memória que também precisa de ser sanada,
convertida, renovada no caminho da Graça e da gratidão.
Hoje, o horizonte da morte
é resgatado do seu exílio, dos espaços onde a encerramos,
para corrermos na ilusão da nossa autossuficiência.
Acolhe este horizonte, inscrito no teu corpo e na tua história,
e permite que a esperança e a fé o convertam
na sua plenitude pascal,
unindo-te a todas as irmãs e irmãos a quem pertences
e que te pertencem.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 11, 25-30] 

Jesus exclamou:
«Eu Te bendigo, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque escondeste estas verdades aos sábios e inteligentes
e as revelaste aos pequeninos.
Sim, Pai, Eu Te bendigo,
porque assim foi do teu agrado.
Tudo Me foi dado por meu Pai.
Ninguém conhece o Filho senão o Pai
e ninguém conhece o Pai senão o Filho
e aquele a quem o Filho o quiser revelar.
Vinde a Mim,
todos os que andais cansados e oprimidos,
e Eu vos aliviarei.
Tomai sobre vós o meu jugo
e aprendei de Mim,
que sou manso e humilde de coração,
e encontrareis descanso para as vossas almas.
Porque o meu jugo é suave e a minha carga é leve». 

 

Pontos de oração

Sabes por experiência que, neste mundo, sofres pelo desejo de alcançar, um dia, a paz definitiva. Os fiéis defuntos são os que morreram nessa esperança. Já chegaram ao fim? Entrega-os a Deus; a esperança que vem do Senhor não engana.

«Vinde a mim… Eu vos aliviarei». Estas palavras de Jesus são só para ti? De modo nenhum. Dirigem-se também aos teus familiares e amigos já falecidos. Podes contar com as suas orações e pedir que rezem por ti.

«Encontrareis descanso». 
Fora da tua vista, as pessoas que te foram queridas nesta vida continuam perto do teu coração? Mais ainda: a tua fé compreende e aceita a separação como uma prova de amor?

 

Colóquio final

«Dai-lhes, Senhor, o descanso eterno». 
Pede ao Senhor, para ti, para os teus amigos e inimigos, o alívio da canseira deste mundo, a alegria de encontrar n'Ele a vida perfeita da comunhão e da paz.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.