Quinta-feira da décima terceira semana do tempo comum

Hoje é dia seis de julho, quinta-feira da décima terceira semana do tempo comum. 

Os relatos bíblicos
não te apresentam somente um modelo ético ou religioso
de uma humanidade perfeita
a que deveríamos aspirar.
Neles encontramos o sangue dos filhos sacrificados,
o clamor dos pobres a quem ninguém socorre,
a violência misturada no seio da história,
como o joio que cresce junto do trigo.
É no seio dessa história que,
de modo frágil e irreversível,
emerge a experiência de um Deus
que não pede nem exige o sofrimento dos seus filhos.
Acolhe esta história, reconhece nela o teu caminho;
e começa assim a tua oração.

 

Escuta esta passagem do livro do Génesis. [L1 Gen 22, 1-3.9-14] 

Deus quis pôr à prova Abraão e chamou-o: «Abraão!»
Ele respondeu: «Aqui estou».
Deus disse: «Toma o teu filho,
o teu único filho, a quem tanto amas, Isaac,
e vai à terra de Moriá, onde o oferecerás em holocausto,
num dos montes que Eu te indicar».
Abraão levantou-se de manhã cedo,
aparelhou o jumento, tomou consigo dois dos seus servos
e o seu filho Isaac.
Cortou a lenha para o holocausto
e pôs-se a caminho do local que Deus lhe indicara.
Quando chegaram ao local designado por Deus,
Abraão levantou um altar e colocou a lenha sobre ele,
atou seu filho Isaac e pô-lo sobre o altar, em cima da lenha.
Depois, estendendo a mão, puxou do cutelo para degolar o filho.
Mas o Anjo do Senhor gritou-lhe do alto do Céu:
«Abraão, Abraão!».
«Aqui estou, Senhor», respondeu ele.
O Anjo prosseguiu:
«Não levantes a mão contra o menino,
não lhe faças nenhum mal.
Agora sei que na verdade temes a Deus,
uma vez que não Me recusaste o teu filho, o teu filho único».
Abraão ergueu os olhos
e viu atrás de si um carneiro, preso pelos chifres num silvado.
Foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto, em vez do filho.
Abraão deu ao local este nome: «O Senhor providenciará».
E ainda hoje se diz: «Sobre a colina o Senhor providenciará».

 

Pontos de oração

O texto que acabaste de ouvir provoca geralmente reações fortes em quem o lê ou escuta. E em ti? Que reação é que provoca?

Deus não obriga Abraão a nada. Deus fala-lhe, mas Abraão pode sempre não fazer o que Deus lhe diz. 
E tu, como tens reagido ao que Deus te vai propondo na tua vida? Como procuras viver na sua presença? Confias n'Ele e deixas-te conduzir? 

Ao ouvir outra vez este episódio da vida de Abraão, tem presente que Deus não pede que ponhamos em jogo o que é acessório na nossa vida. A nossa relação com Deus é tanto mais verdadeira quanto mais tocar o centro da nossa existência. 

 

Colóquio final

Termina a tua oração abrindo o coração a Deus, revelando-Lhe o essencial da tua vida. Serás capaz de deixar que Ele toque nesse essencial? Ou permites apenas que Ele veja, sem tocar? 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.