Quinta-feira da oitava da Páscoa

Hoje é dia vinte e cinco de abril, quinta-feira da oitava da Páscoa.

A Páscoa do Senhor continua a envolver-te com o seu manto de alegria. É uma alegria discreta, que não se grita nas praças nem interrompe o caminho dos outros para se mostrar nas ruas da cidade ou nos caminhos das aldeias. Mas se acolheres esta alegria do Senhor ressuscitado, não ficará pedra sobre pedra no teu edifício interior. Rezar, hoje, pode ser a tua forma de dizer ao Senhor que desejas deixar-te transformar pela alegria da sua ressurreição, ressuscitando com Ele. Agradece ao Senhor estes minutos de encontro ressuscitado... e começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 24, 35-48]

Jesus apresentou-Se no meio dos discípulos e disse-lhes: «A paz esteja convosco». Espantados e cheios de medo, julgavam ver um espírito. Disse-lhes Jesus: «Porque estais perturbados e porque se levantam esses pensamentos nos vossos corações? Vede as minhas mãos e os meus pés: sou Eu mesmo; tocai-Me e vede: um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que Eu tenho». Dito isto, mostrou-lhes as mãos e os pés. E como eles, na sua alegria e admiração, não queriam ainda acreditar, perguntou-lhes: «Tendes aí alguma coisa para comer?» Deram-Lhe uma posta de peixe assado, que Ele tomou e começou a comer diante deles. Depois disse-lhes: «Foram estas as palavras que vos dirigi, quando ainda estava convosco: ‘Tem de se cumprir tudo o que está escrito a meu respeito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos’». Abriu-lhes então o entendimento para compreenderem as Escrituras e disse-lhes: «Assim está escrito que o Messias havia de sofrer e de ressuscitar dos mortos ao terceiro dia, e que havia de ser pregado em seu nome o arrependimento e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vós sois as testemunhas de todas estas coisas».

O cartão de visita de Jesus é a Paz, dar a sua Paz, não como o mundo a dá. A sua paz transforma os medos em coragem, a incompreensão em sabedoria, o individualismo em partilha do pão. E sabemos que a sua presença ressuscitada não é um fantasma porque ela nos transforma, nos alegra e nos envia.

Jesus mostra aos seus amigos os sinais do seu amor, as suas chagas e sofrimentos, que explicam a importância da sua entrega por cada um de nós e nos indicam o caminho. Estás disposto a entregar-te, pelo Reino? Até onde?

Ouve com atenção o final do Evangelho. Para chegar “ao terceiro dia”, dia da luz e da Paz, é preciso passar pela dor que purifica e pela compreensão do sentido que faz uma entrega pessoal de amor. E tudo se verá com novidade.

Termina a tua oração agradecendo a presença Deus na tua vida e na vida dos outros: ela está na sabedoria e na fortaleza que te transformam e consolidam como membro do seu corpo.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.