Quinta-feira da quarta semana do Tempo Comum

Hoje é dia sete de fevereiro, quinta-feira, festa litúrgica das Cinco Chagas do Senhor.

Hoje, não queiras pôr muito de ti na oração.
Procura contemplar o teu amigo Jesus,
as mãos e os pés perfurados pelos pregos,
o peito aberto pela lança,
crucificado.
Contemplando-O assim desamparado,
traz à memória os teus irmãos perseguidos por causa da sua fé.
Eles renovam no seu corpo a paixão do Senhor.
Pede a Jesus crucificado que os proteja
e abençoe os voluntários da Ajuda à Igreja que Sofre que vão em seu auxílio.
E começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 20, 24-29]

Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo,
não estava com eles quando veio Jesus.
Disseram-lhe os outros discípulos:
«Vimos o Senhor».
Mas ele respondeu-lhes:
«Se não vir nas suas mãos o sinal dos cravos,
se não meter o dedo no lugar dos cravos e a mão no seu lado,
não acreditarei».
Oito dias depois, estavam os discípulos outra vez em casa
e Tomé com eles.
Veio Jesus, estando as portas fechadas,
apresentou-Se no meio deles e disse:
«A paz esteja convosco».
Depois disse a Tomé:
«Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos;
aproxima a tua mão e mete-a no meu lado;
e não sejas incrédulo, mas crente».
Tomé respondeu-Lhe:
«Meu Senhor e meu Deus!».
Disse-lhe Jesus:
«Porque Me viste acreditaste:
felizes os que acreditam sem terem visto».

Ter dúvidas é normal e pode ser o meio que te leva ao Senhor, ou seja, à verdade de ti mesmo e à verdade de quem Ele é. As tuas dúvidas podem levar-te a questões que verdadeiramente interessam para o teu crescimento na fé, na esperança e no amor. Abandona-te à confiança, porque Jesus quer encontrar-Se contigo através das pessoas que te rodeiam.

Contempla as chagas que te oferecem entrada no coração de Deus e esclarecimento para as tuas dúvidas. Lembra-te de tantas chagas que existem hoje no mundo, sobretudo as feridas do pecado… Interroga-te como podes ser, com Jesus, curador de feridas.

Escuta novamente o Evangelho e pede ao Senhor a graça de uma vivência mais teologal e a cura dos corações feridos pelo mal.

Termina a tua oração pedindo a Jesus pelos cristãos perseguidos por causa da Evangelho, para que a Igreja que vive em paz não os esqueça e tenha coragem de denunciar os seus perseguidores, exigindo paz e justiça para todos.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.