Quinta-feira da quarta semana da Quaresma

Hoje é dia dez de Março, quinta-feira da quarta semana da Quaresma.

“Procurar a face de Deus”. 
O Papa Bento XVI dizia que este desejo de Deus está na origem daquilo que nos vai fazendo cristãos. 
E o salmista diz: “Alegre-se o coração dos que procuram o Senhor”. 
Não precisas de sentir que encontraste Deus para te alegrares. Só precisas de saber que tens desejo de o encontrar, de contemplar a sua face. Pede ao Senhor este desejo... e começa assim a tua oração.

 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 5, 31-47]
 
Disse Jesus aos judeus:
«Se Eu der testemunho de Mim mesmo,
o meu testemunho não será considerado verdadeiro.
É outro que dá testemunho de Mim
e Eu sei que o testemunho que Ele dá de Mim é verdadeiro. 
Vós mandastes emissários a João Baptista
e ele deu testemunho da verdade. (...)
João era uma lâmpada que ardia e brilhava
e vós, por um momento, quisestes alegrar-vos com a sua luz. 
Mas Eu tenho um testemunho maior que o de João,
pois as obras que o Pai Me deu para consumar
– as obras que realizo –
dão testemunho de que o Pai Me enviou.
E o Pai, que Me enviou, também Ele deu testemunho de Mim.
Nunca ouvistes a sua voz, nem vistes a sua figura
e a sua palavra não habita em vós,
porque não acreditais n’Aquele que Ele enviou. (...)
Não é dos homens que Eu recebo glória;
mas Eu conheço-vos e sei que não tendes em vós o amor de Deus.
Vim em nome de meu Pai e não Me recebeis;
mas se vier outro em seu próprio nome, recebê-lo-eis. 
Como podeis acreditar,
vós que recebeis glória uns dos outros
e não procurais a glória que vem só de Deus?
Não penseis que Eu vou acusar-vos ao Pai:
o vosso acusador será Moisés,
em quem pusestes a vossa esperança.
Se acreditásseis em Moisés, acreditaríeis em Mim, 
pois ele escreveu a meu respeito.
Mas se não acreditais nos seus escritos,
como haveis de acreditar nas minhas palavras?». 

 

Pontos de Oração

Jesus recorda-nos constantemente como é profundo o vínculo que O une ao Pai. Manifesta-o em acções concretas: na proximidade com os pobres..., no tocar e ser tocado pelos impuros..., dando lugar a todos à mesa. A falsa majestade com que ornamentamos Deus impede-nos de olhar para esses lugares onde Ele continua a manifestar-Se. 

“Não é dos homens que Eu recebo glória”. 
Jesus sabe-Se recebido pelo Pai e não procura outra glória. Aceitar que não nos inventamos a nós próprios implica despojarmo-nos das honras e hábitos que nos dissimulam e impedem de acolher e oferecer o que somos. 

Ao ouvires de novo o Evangelho segundo João presta atenção ao modo como Jesus desfaz os enganos daqueles que O questionam.

 

Colóquio final

Termina a oração pedindo a Jesus que te ilumine com o seu espírito para que possas discernir onde estão os enganos que impedem o teu crescimento na fé. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.