Quinta-feira da segunda semana da Quaresma

Hoje é dia um de março, quinta-feira da segunda semana da Quaresma. 

Hoje, começa a tua oração
com as palavras desta prece
da escritora brasileira Clarice Lispector:
«Meu Deus, dá-me a coragem
de viver trezentos e sessenta e cinco dias e noites,
todos vazios de Tua presença.
Dá-me a coragem de considerar esse vazio
como uma plenitude.
Faz com que eu possa falar
com este vazio tremendo
e receber como resposta
o amor materno que nutre e embala.
Faz com que eu tenha a coragem de Te amar». 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 16, 19-31]. 

Disse Jesus aos fariseus:
«Havia um homem rico,
que se vestia de linho fino
e se banqueteava esplendidamente todos os dias.
Um pobre chamado Lázaro jazia junto do seu portão,
coberto de chagas.
Bem desejava ele saciar-se
com os restos caídos da mesa do rico;
mas até os cães vinham lamber-lhe as chagas.
Ora sucedeu que o pobre morreu
e foi colocado pelos Anjos ao lado de Abraão.
Morreu também o rico e foi sepultado.
Na mansão dos mortos, estando em tormentos,
levantou os olhos e viu Abraão com Lázaro a seu lado.
Então ergueu a voz e disse:
‘Pai Abraão, tem compaixão de mim.
Envia Lázaro, para que molhe em água a ponta do dedo
e me refresque a língua,
porque estou atormentado nestas chamas’.
Abraão respondeu-lhe:
‘Filho, lembra-te que recebeste os teus bens em vida
e Lázaro apenas os males.
Por isso, agora ele encontra-se aqui consolado,
enquanto tu és atormentado.
Além disso, há entre nós e vós um grande abismo,
de modo que, se alguém quisesse passar daqui para junto de vós,
não poderia fazê-lo’. 

 

O pobre tem nome. Deus conhece o seu coração. O rico é anónimo, não tem alma. Vive só para fora. Nem repara no mendigo à porta da sua casa. O rico está cego, surdo e mudo. Os cães são mais humanos do que ele! 

Egoísmo terrível, o que leva à mais completa indiferença diante de quem sofre. Por vezes, mais do que dinheiro ou pão, o pobre precisa de um sorriso de amizade. 
Por onde vão os teus afetos? Desprezas alguém?

Poderias ser o rico da parábola. Ouvirias os profetas e porias em prática a mensagem de Jesus no Evangelho? Lázaro, no meio das suas dores, não se lamenta. O seu coração já descansa, no banquete do amor de Deus. 

Termina a tua oração, dizendo no teu coração: 
"Concede-me, Senhor, tomar parte contigo. Quero que me laves os pés, como fizeste a Pedro na Última Ceia. A minha gota de água, transforma-a, Senhor, no cálice do teu sangue, em dádiva universal de caridade". 

 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.