Quinta-feira da sétima semana do tempo pascal

Hoje é dia seis de junho, quinta-feira da sétima semana do tempo pascal.

“Deus dá força e poder ao seu povo. Bendito seja Deus.” Louvando Deus, o salmista pensava no sucesso terreno do reino de Israel. Era certamente um tempo de abundância material e poder político. Depois, virão tempos em que os salmos lembrarão a Deus a miséria do povo, esmagado pelos seus inimigos. Coloca-te diante de Deus com toda a tua verdade, quer sintas o gosto do sucesso, quer saboreies o amargo do fracasso. O Senhor não é indiferente, Ele ama-te como és e está contigo em todas as situações. Na certeza desta presença, dá início à tua oração.

Escuta esta passagem do livro dos Atos dos Apóstolos. [L1 At 22, 30; 23, 6-11]

Paulo exclamou no meio do Sinédrio: «Irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseus, e é pela nossa esperança na ressurreição dos mortos que estou a ser julgado». Estas palavras desencadearam um conflito entre fariseus e saduceus e a assembleia dividiu-se. De facto os saduceus dizem que não há ressurreição, nem Anjos, nem espíritos, ao passo que os fariseus afirmam uma e outra coisa. Levantou-se enorme gritaria e alguns escribas do partido dos fariseus ergueram-se e começaram a protestar com energia, dizendo: «Não encontramos nenhum mal neste homem. E se foi um espírito ou um Anjo que lhe falou?» A discussão redobrou de violência, a tal ponto que o tribuno, receando que eles despedaçassem Paulo, ordenou que os soldados descessem para o tirarem do meio deles e o reconduzissem à fortaleza. Na noite seguinte, o Senhor apareceu a Paulo e disse-lhe: «Coragem! Assim como deste testemunho de Mim em Jerusalém, deverás dar testemunho também em Roma».

Ao expor a sua defesa, Paulo resume a sua fé ao facto de acreditar na ressurreição dos mortos. Este é um dos pontos fundamentais do nosso credo. O que significa para ti acreditares na ressurreição dos mortos? É algo essencial, ou nem por isso?

A fé na ressurreição gera desentendimentos, nem sempre tão violentos como os que ouviste na leitura, mas que causam algumas dificuldades ou tensões. Como vives o teu entendimento sobre a morte e sobre a vida, quando é posto em causa?

Agora que vais ouvir outra vez o texto, tem presente as guerras que há no mundo, devido às diferenças religiosas, e reza pela paz.

Deus diz a Paulo: «Coragem!», e acrescenta que depois de Jerusalém terá de dar testemunho também em Roma. Como dás testemunho da tua fé? No fim da tua oração pede coragem a Deus para dares testemunho nos sítios por onde passares nestes dias.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.