Quinta-feira da terceira semana do Advento

Hoje é dia vinte e um de dezembro, quinta-feira da terceira semana do Advento. 

De onde esperas a salvação?
Com que critérios, luzes e horizontes orientas
a vigilância do teu coração?
Pode a salvação advir de uma virgem de Nazaré,
o redentor nascer numa aldeia da Galileia?
Que mistério de Deus será este,
capaz de transformar o rosto da história
na suave e firme força de uma criança?
Contempla este mistério cada dia, todos os dias da tua vida,
e deixa-o transformar-te à imagem de Jesus.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 1, 39-45] 

Maria pôs-se a caminho
e dirigiu-se apressadamente para a montanha,
em direção a uma cidade de Judá.
Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel.
Quando Isabel ouviu a saudação de Maria,
o menino exultou-lhe no seio.
Isabel ficou cheia do Espírito Santo
e exclamou em alta voz:
«Bendita és tu entre as mulheres
e bendito é o fruto do teu ventre.
Donde me é dado
que venha ter comigo a Mãe do meu Senhor?
Na verdade, logo que chegou aos meus ouvidos
a voz da tua saudação,
o menino exultou de alegria no meu seio.
Bem-aventurada aquela que acreditou
no cumprimento de tudo quanto lhe foi dito da parte do Senhor». 

 

Pontos de oração

Rezar é parar mas é também, ao mesmo tempo, pôr-se a caminho, como fez Maria quando foi ter com sua prima Isabel. Maria é bem-aventurada porque acreditou, porque aceitou, porque arriscou. 
Imagina Maria a explicitar estes três aspetos: fé, aceitação e risco.   

Maria colocou os meios ao serviço da sua missão: saiu do sofá, como diria o Papa Francisco, e foi ter com alguém... a quem ajudou e por quem foi ajudada. Medita nesta capacidade que a vida cristã te pede. Tendes a dar passos para cumprir objetivos? Tomas iniciativas? E nas tuas ações, imprimes o estilo de Maria, um estilo singelo, alegre e descomplicado? 

Deus não está presente com condições e como resultado dos teus méritos, mas porque te ama. Com esta confiança, podes fazer a tua parte e procurar os recursos de que precisas para ser o que podes ser. Mas raramente o consegues sozinho. 
Pedes ajuda quando é preciso? Vais ter com alguém, como Maria foi ter com Isabel? Ouve de novo o Evangelho, fazendo-te esta pergunta.

 

Colóquio final

Agradecido por este tempo de paragem e meditação, pondera este duplo movimento, inspirado em Maria: por um lado, pedindo ajuda sempre que precisas, indo ao encontro das pessoas certas, que te acolhem como tu és. Por outro lado, estares também tu disponível a ser um auxílio para quem te procura...  

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.