Quinta-feira da terceira semana do Tempo Pascal

Hoje é dia quatro de maio, quinta-feira da terceira semana do Tempo Pascal.

Precisamos de alimento para o caminho.
Os nossos dias são abreviados
com os ritmos rápidos e frenéticos em que vivemos.
E só quando paramos, só quando nos detemos
somos capazes de contemplar, 
com a largueza do nosso olhar,
a beleza, a imensidão e a exigência
que a nossa vida representa.
Detém-te, hoje, neste olhar,
e pede o único pão que te alimenta
para o teu longo caminhar.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 6, 44-51] 

Disse Jesus à multidão:
«Ninguém pode vir a Mim,
se o Pai, que Me enviou, não o trouxer;
e Eu ressuscitá-lo-ei no último dia.
Está escrito no livro dos Profetas:
‘Serão todos instruídos por Deus’.
Todo aquele que ouve o Pai e recebe o seu ensino vem a Mim.
Não porque alguém tenha visto o Pai;
só Aquele que vem de junto de Deus viu o Pai.
Em verdade, em verdade vos digo:
Quem acredita tem a vida eterna.
Eu sou o pão da vida.
No deserto, os vossos pais comeram o maná e morreram.
Mas este pão é o que desce do Céu,
para que não morra quem dele comer.
Eu sou o pão vivo que desceu do Céu.
Quem comer deste pão viverá eternamente.
E o pão que Eu hei de dar é a minha carne
que Eu darei pela vida do mundo». 

 

Pontos de oração

“Ninguém pode vir a Mim, se o Pai, que Me enviou, não o trouxer”. 
O Pai é o ponto de partida. É n’Ele que tudo tem início. O Pai conduz-nos ao Filho e este conduz-nos ao Pai. Nenhum d’Eles trabalha para benefício próprio, ignorando o que O outro faz. Colaboram, cada um à sua maneira, para que te descubras como filho de Deus. Deste modo, no Espírito Santo, que circula entre o Pai e o Filho, és introduzido na família alargada dos filhos de Deus e experimentas o coração dilatar-se – onde todos cabem e são bem-vindos! 

No caminho para a terra dos seus antepassados, o povo de Israel passou anos no deserto. Aí foi alimentado por Deus e reconheceu o seu poder e carinho para com ele.
Hoje, é Jesus quem te alimenta na tua peregrinação para a Casa do Pai. Ele é o teu alimento, de modo particular na Eucaristia. Procura alimentar-te sempre deste pão que é dado para que o mundo tenha vida e vida em abundância.

Escuta uma segunda vez o Evangelho. “O pão que Eu hei de dar é a minha carne que Eu darei pela vida do mundo”. A linguagem de Jesus é muito terra a terra, com algo mesmo de brutal. Ele não brinca contigo e no modo como quer entrar na tua vida – entregando-Se até à última gota! Uma amizade, assim radical, tem a marca de Deus. 

 

Colóquio final

Pede a graça de corresponderes ao amor de Deus por ti. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.