Quinta-feira, memória litúrgica de São Domingos

Hoje é dia oito de agosto, quinta-feira, memória litúrgica de São Domingos.

“Criai em mim, ó Deus, um coração puro”. Este pedido humilde do salmista pode ser uma inspiração para ti. Todos precisamos de purificar o coração – tu também. Há tanto egoísmo, escondido ou bem à vista, tanta maldade disfarçada, tanto desejo impuro... “Criai em mim, ó Deus, um coração puro”. Repete este pedido, pois só Deus pode mudar os corações de pedra em corações de carne, disponíveis para o amor. Não fiques fechado nas tuas razões, não queiras justificar o injustificável. Dá lugar ao Espírito Santo no teu interior... e começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 16, 16-23]

Simão Pedro tomou a palavra e disse: «Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo». Jesus respondeu-lhe: «Feliz de ti, Simão, filho de Jonas, porque não foram a carne e o sangue que to revelaram, mas sim meu Pai que está nos Céus. Também Eu te digo: Tu és Pedro; sobre esta pedra edificarei a minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos Céus e tudo o que desligares na terra será desligado nos Céus». Então, Jesus ordenou aos discípulos que não dissessem a ninguém que Ele era o Messias. E começou a explicar aos seus discípulos que tinha de ir a Jerusalém e sofrer muito da parte dos anciãos, dos príncipes dos sacerdotes e dos escribas; que tinha de ser morto e ressuscitar ao terceiro dia. Pedro, tomando-O à parte, começou a contestá-Lo, dizendo: «Deus Te livre de tal, Senhor! Isso não há de acontecer!». Jesus voltou-Se para Pedro e disse-lhe: «Vai-te daqui, Satanás. Tu és para mim uma ocasião de escândalo, pois não tens em vista as coisas de Deus, mas dos homens».

Simão tornou-se “a rocha”, “a pedra”, sem deixar de ser vulnerável. Porém, Jesus sobrepõe-Se a essa fragilidade e dá à sua Igreja, em cada tempo, um Pedro que é sempre “rocha”, a segurança plena de estar com Cristo.

Pedro, o Papa de cada tempo, é um homem a quem Jesus Se vincula ao ponto de Se dispor a confirmar o que ele ligue e desligue. Percebes por que é tão importante viveres uma união com o Papa que seja efetiva e também afetiva?

“Jesus ordenou aos discípulos que não dissessem a ninguém que Ele era o Messias”. O Senhor escolheu deixar em aberto esse ponto tão importante da verdade. Aprende também tu a respeitar as escolhas do Papa para falar ou para calar, pois é ele que está assistido pela promessa de Cristo.

A seguir a Cristo, Maria e José, o teu amor maior deve ir para o Papa, o “doce Cristo na terra” – dizia Catarina de Sena. Pede diariamente a Deus que o conserve e encha de bênçãos, e não o deixe à mercê dos seus inimigos.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.