Segunda-feira da décima nona semana do Tempo Comum

Hoje é dia oito de agosto, segunda-feira da décima nona semana do Tempo Comum. 

Quantas vezes corremos à procura da felicidade, pensando que ela está fora de nós, em alguma coisa que ainda não temos ou ainda não fizemos. 
A felicidade está muito mais próxima do que possas pensar. 
Faz silêncio no teu coração e escuta a voz d’Aquele que só quer que sejas feliz... 
...E não queiras outra coisa que não seja aquilo que Ele quer. 
Assim, vale a pena ser feliz. 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 17, 22-27]

Estando ainda Jesus e os discípulos na Galileia,
disse-lhes Jesus:
«O Filho do homem vai ser entregue nas mãos dos homens, 
que hão-de matá-Lo;
mas Ele ao terceiro dia ressuscitará».
Os discípulos  ficaram profundamente consternados.
Quando chegaram a Cafarnaum,
os cobradores das didracmas aproximaram-se de Pedro
e perguntaram-lhe:
«O vosso Mestre não paga a didracma?».
Pedro respondeu-lhes: «Paga, sim».
Quando chegou a casa,
Jesus antecipou-Se e disse-lhe:
«Simão, que te parece?
De quem recebem os reis da terra impostos ou tributos? 
Dos filhos ou dos estranhos?».
E como ele respondesse que era dos estranhos, 
Jesus disse-lhe:
«Então os  filhos estão isentos.
Mas para não os escandalizarmos,
vai ao mar e deita o anzol.
Apanha o primeiro peixe que morder a isca, 
abre-lhe a boca e encontrarás um estáter.
Pega nele e paga-lhes o imposto por Mim e por ti».

 

Pontos de oração

“Hão de matá-Lo mas ressuscitará”. Jesus nunca separa a Paixão da Ressurreição, porque o mistério da tua salvação está na passagem da Morte para a Vida. No fim desta peregrinação, que é a vida no mundo, está o encontro definitivo com o Pai. Não fujas à Cruz, Cristo tornou-a sagrada ao cravar nela todas as dificuldades e pecados da tua vida. Agora, tudo brilha à luz fantástica da salvação.

“Os discípulos ficaram profundamente consternados”. 
Nada do que Jesus dizia parecia fazer sentido. O Rei dos Judeus… O Messias tão esperado... morto e pregado numa Cruz? Não tinham ainda percebido que Jesus na Cruz tem o poder máximo, mas é um outro poder que está no despojamento máximo, e por isso pode ser todo amor, o único e o verdadeiro Rei.

Ouve com atenção de novo esta passagem do Evangelho mas com os ouvidos do coração. Verás que o Senhor, quando se entrega, quando paga o tributo para não escandalizar os homens, todo Ele é Obediência, Esperança, Dignidade, Humildade e Realeza! O Servo dos servos atingiu o máximo do serviço – o de salvar e dar a vida! Ao entregar a sua. Pregado numa Cruz. 

 

Colóquio final

Este é o teu Senhor. O que tens a dizer-Lhe, depois do que ouviste? Como vives as tuas mortes? Como pegas nas tuas cruzes? Este é o teu Senhor e gosta muito que fales com Ele.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.