Segunda-feira da décima oitava semana do Tempo Comum

Hoje é dia um de agosto, segunda-feira da décima oitava semana do Tempo Comum, memória litúrgica de Santo Afonso Maria de Ligório.

Santo Afonso Maria de Ligório defendeu que o legalismo ou o rigorismo no cumprimento das regras e dos preceitos eram contrários ao Evangelho. 

Foi para a liberdade que Cristo nos libertou! É para o Amor que fomos libertados e é por amor que seguimos e cumprimos os mandamentos do Senhor.  
Pede ao Senhor a graça de reconheceres que é Ele quem te liberta e salva. Assim, vale a pena começares a tua oração. 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 14, 13-21]

Quando Jesus ouviu dizer que João Batista tinha sido morto, 
retirou-Se num barco para um local deserto e afastado.
Mas logo que as multidões o souberam,
deixando as suas cidades, seguiram-No por terra.
Ao desembarcar, Jesus viu uma grande multidão
e, cheio de compaixão, curou os seus doentes.
Ao cair da tarde, os discípulos aproximaram-se de Jesus
e disseram-Lhe:
«Este local é deserto e a hora avançada.
Manda embora toda esta gente,
para que vá às aldeias comprar alimento».
Mas Jesus respondeu-lhes:
«Não precisam de se ir embora; dai-lhes vós de comer». 
Disseram-Lhe eles:
«Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes».
Disse Jesus: «Trazei-mos cá».
Ordenou então à multidão que se sentasse na relva.
Tomou os cinco pães e os dois peixes,
ergueu os olhos ao Céu e recitou a bênção.
Depois partiu os pães e deu-os aos discípulos
e os discípulos deram-nos à multidão.
Todos comeram e  ficaram saciados.
E, dos pedaços que sobraram, encheram doze cestos.
Ora, os que comeram eram cerca de cinco mil homens,
sem contar mulheres e crianças.

 

Pontos de oração

Naquele tempo… ou neste tempo, ou seja, hoje… É que o Evangelho, apesar de ter sido escrito há dois mil anos, é tão atual que podes considerar que foi escrito HOJE, e é a ti que Jesus Se dirige quando fala. 

Jesus, tão humano, tão como nós, tão um dos nossos, ao saber da morte do seu primo e amigo João Batista, faz menção de Se retirar para um lugar deserto, para rezar. Mas o fascínio que exerce sobre todos leva-O a ser seguido e rodeado por multidões a quem atende com Amor e Misericórdia.

Vais voltar a ouvir o Evangelho de hoje. E vais ouvir falar da compaixão que Jesus tem pelos doentes, pelos frágeis e pelos pobres. Cura-os e, depois, manda os seus discípulos dar de comer a todos, a partir do pouco que um deles tinha. Se te ofereceres a Ele com amor e fé, Jesus faz milagres com o pouco que tu és. 

 

Colóquio final

Quem são os discípulos de hoje? 
Recolhe-te um pouco e ouve a voz do Senhor que te diz: “Dá-lhes tu mesmo de comer”. Que Lhe respondes?  

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.