Segunda-feira da décima segunda semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e seis de junho, segunda-feira da décima segunda semana do Tempo Comum.

Pode a oração comparar-se a um depósito?
Nela confiamos o nosso tempo, o nosso silêncio
e a nossa vida
para recebermos, dia após dia, 
um pouco de Céu.
Hoje, começa a tua oração
com estas palavras do Salmo 33:
«A nossa alma espera no Senhor;
Ele é o nosso amparo e o nosso escudo.
Nele se alegra o nosso coração
e no seu santo nome confiamos.
Venha sobre nós, Senhor, o teu amor,
pois em ti depositamos a nossa confiança». 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 7, 1-5]

Disse Jesus aos seus discípulos:
«Não julgueis e não sereis julgados.
Segundo o julgamento que fizerdes sereis julgados,
segundo a medida com que medirdes vos será medido.
Porque olhas o argueiro que o teu irmão tem na vista
e não reparas na trave que está na tua?
Como poderás dizer a teu irmão:
‘Deixa-me tirar o argueiro que tens na vista’,
enquanto a trave está na tua?
Hipócrita, tira primeiro a trave da tua vista
e então verás bem para tirar o argueiro da vista do teu irmão». 

 

Pontos de oração

Hoje Jesus alerta-nos quanto ao julgamento que fazemos dos outros, uma atitude muito comum e frequentemente inconsciente. 
Como acontece contigo? Como olhas os outros? Recorda alguma situação concreta em que tenhas reparado nalguma imperfeição de outra pessoa e recorda com que atitude o fizeste.

Jesus sabe que todos temos imperfeições. É importante tomar consciência delas e procurar corrigi-las ou, pelo menos, trabalhá-las para que não sejam um obstáculo. 
Olha para ti e procura algo na tua vida que possas trabalhar para melhorar.

Jesus não diz que não devemos olhar para os outros. Diz para olharmos primeiro para nós e para nos corrigirmos. Só assim poderemos ajudar os outros a viver e a lidar com as suas limitações e imperfeições. O que vemos nos outros deve levar-nos a ajudá-los, e não a julgá-los.

 

Colóquio final

Termina a tua oração pedindo a Deus que te ajude a ver com verdade as tuas imperfeições e a superá-las.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.